Geral

Morador de rua em São Paulo, alagoano tenta voltar para casa e reencontrar família

19/07/18 - 19h40 - Atualizado em 19/07/18 - 19h56
Reprodução

Frio, fome e saudade. A história do alagoano Joselmo Camilo de Lira, de 49 anos, se mistura com a de muitos nordestinos que deixam sua região para se aventurar pelo sudeste brasileiro, mais precisamente na cidade de São Paulo, e acabam tomando um destino inesperado: as ruas.

Natural de Colônia Leopoldina, município da Zona da Mata de Alagoas, Joselmo foi ainda criança para a capital paulista e há 13 anos, devido a problemas familiares, teve que deixar a casa onde morava com a esposa para viver nas ruas.

Agora, o morador de rua pretende voltar para a cidade natal e reencontrar a família o mais breve possível. Um desejo que supera o orgulho que perdurou por anos, por não retornar com o objetivo conquistado, de vir para o Sudeste e "vencer na vida".

Desiludido, Joselmo anda pelas ruas do Centro de São Paulo à procura de dinheiro, de comida, e sem saber se terá um agasalho para vencer o frio paulistano durante a noite. Para passar a fome, ele faz o uso de bebidas alcoólicas com frequência. Uma rotina que o deixa mais distante da realidade.

Antes do retorno para Colônia Leopoldina, Joselmo busca contato com algum parente e faz um apelo por notícias sobre o seu pai, José Camilo do Nascimento, que, segundo ele, é pernambucano, mas reside no município do interior alagoano.

"Quero notícias do meu pai. Me disseram que em 2010 ele morreu, mas o atestado de óbito nunca apareceu, segundo meu irmão me informou, meses atrás. Nunca tive contato com a família do meu pai, e se alguém souber algo sobre ele agradeceria bastante", disse em um vídeo compartilhado nas redes sociais do TNH1.

Assista ao vídeo:

Tendo conhecimento da história do alagoano, o sargento Marcos Moraes, da Guarda Civil Metropolitana e integrante do projeto Anjos da Guarda, em São Paulo, pesquisou em bancos de dados da Segurança Pública e descobriu que o pai de Joselmo está vivo.

O policial acompanha quase diariamente a situação de moradores de rua na cidade e tenta ajudar com cobertores, alimentos e outras coisas para tornar a vida deles menos difícil. 

“Infelizmente, eles vêm tentar a sorte aqui. Por muitas vezes, temos exemplos aqui, que as prefeituras dão passagens de ida para eles, que não conseguem voltar. Outros acabam vindo para cá tentar um emprego e se iludem, achando que vai ser fácil", destacou. 

O jornalista alagoano André Alves, que trabalha em São Paulo e também integra o projeto, destacou que, recentemente, dois mil cobertores foram doados para os moradores de rua.

"Eles não querem ir para abrigos porque lá há regras. Hora para dormir, para comer, para a higiene. Eles acabam preferindo as ruas. Nós nos mobilizamos quase sempre para suprir a necessidade deles", salientou o jornalista.

Quem tiver informações sobre algum parente de Joselmo Camilo de Lira pode entrar em contato com o jornalista, através do número (11) 99430 9736.