Famílias não conseguem comprar gás e voltam a cozinhar com lenha

Situação é reflexo dos aumentos sucessivos no preço do botijão

23/11/2017 - 09:14 - Atualizado em 23/11/2017 - 12:29
Sem nenhuma fonte de renda, Maria Lúcia chora ao falar do assunto (Crédito: Reprodução / TV Pajuçara)

A substituição da lenha pelo gás de cozinha ocorreu nas casas brasileiras há algumas décadas, porém, a sequência de aumentos no preço do botijão fez muitas famílias regredirem a um período que parecia já superado.

O TNH1 vai contar histórias emocionantes entre filhos e padrastos; envie a sua

Foram quatro reajustes de agosto até hoje (23), que levaram a população mais carente de Maceió a voltar a cozinhar com lenha.

Para Maria Lúcia, que mora na favela Sururu de Capote e vive da pesca do marisco, não há outra solução, uma vez que sua única renda vem do trabalho, que agora está parado porque os catadores não estão encontrando o tradicional fruto da Lagoa Mundaú.

“Eu estou há dois meses sem botijão de gás. Não tenho dinheiro, não tiro o Bolsa Família e não estou trabalhando, porque não tem sururu”, revelou a marisqueira, que chora ao falar do assunto.

Leia também: 

Com 3º aumento em três meses, gás de cozinha vai passar dos R$ 65 em Maceió

Presidente da Petrobras defende sua prática de política de preços

De acordo com a Petrobras, os reajustes seguidos são causados pela nova política de preços da empresa, que foi implantada em julho deste ano.

A equipe da TV Pajuçara, afiliada da Record TV em Alagoas, conversou com outros alagoanos que foram obrigados a trocar o gás de cozinha pela lenha para cozinhar; assista: