Ministério Público do Trabalho instaura inquérito para apurar morte em explosão

Instituição fará levantamento da situação do ambiente laboral da empresa para saber o nível do risco a que os trabalhadores estão sendo submetidos; empresa foi notificada a prestar esclarecimentos

28/09/2017 - 12:15 - Atualizado em 28/09/2017 - 12:19
(Crédito: TNH1)

O Ministério Público do Trabalho (MPT) instaurou inquérito civil para apurar a morte de um trabalhador, ocorrida na manhã de ontem, 27, na parte alta de Maceió, após um tanque de combustível explodir quando a vítima manuseava um maçarico. A instituição verificou que o trabalhador laborava sob risco iminente de acidente, já que, segundo informações iniciais apuradas pela imprensa, o tanque possuía resíduos de material inflamável.

A procuradora do Trabalho Rosemeire Lobo, responsável pela investigação, afirmou que as providências já estão sendo tomadas e que o importante é buscar a reparação das irregularidades e a prevenção de situações, inclusive de acidentes futuros, que possam colocar em risco os trabalhadores do local. “Designamos um perito do Trabalho para realizar avaliação na empresa, estamos fazendo o levantamento da situação, da quantidade de funcionários que laboram no local e da entrega de Equipamentos de Proteção Individual a esses trabalhadores, para saber o nível do risco a que estão sendo submetidos”, disse Rosemeire.

Para o procurador-chefe do MPT em Alagoas, Rafael Gazzaneo, é imprescindível e é obrigação do empregador oferecer todas as condições necessárias para o trabalhador laborar em um ambiente seguro. “O momento é de verificar, de fato, todas as condições de saúde e segurança dos empregados da empresa para evitar que outra tragédia aconteça. O Ministério Público do Trabalho continuará atuando com rigor para evitar acidentes de trabalho e buscará a responsabilização dos empregadores que cometerem irregularidades”, ressaltou.

A empresa, identificada pelo nome de Serv Truck Implementos Agrícolas e Rodoviários, foi intimada para se manifestar sobre o acidente no prazo mínimo de 10 dias após a realização de inspeção pelo Ministério Público do Trabalho. Segundo informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, o Caged, a empresa possuía, em janeiro deste ano, 16 empregados registrados.

O MPT deve solicitar ao Corpo de Bombeiros o relatório da perícia realizada no local e outros documentos às demais autoridades competentes, para reunir o máximo possível de provas sobre o caso.

Fonte: assessoria