"Imagens e áudio foram editados", diz Rocha Lima sobre polêmica com delegado

16/05/2018 - 13:09 - Atualizado em 16/05/2018 - 13:30
(Crédito: Reprodução/ TV Pajuçara)

O tenente-coronel Rocha Lima, comandante do Batalhão de Polícia de Eventos (BPE), conversou com a equipe do programa Fique Alerta, da TV Pajuçara, na manhã desta quarta-feira (16), sobre a prática de racismo atribuída a ele contra o delegado Leonardo Assunção. O caso viralizou em grupos de policiais militares no aplicativo WhatsApp, na semana passada.

“Não tenho nada a ver com o áudio e as imagens foram editadas. O que se passou se trata apenas de 'fake'", diz Rocha Lima. Fake é uma palavra inglesa que significa 'falso'. O termo ganhou força na internet com a proliferação de boatos.

“Quando tomei conhecimento do “fake”, a primeira coisa que fiz foi procurar a Secretaria de Segurança Pública. Deixei meu aparelho celular à disposição, onde funciona o único WhatsApp que uso e fui muito bem recebido pelo secretário-adjunto e pelo coronel Lima Júnior, titular da pasta. Já naquele momento, eles viram que se tratava de uma montagem. Eles sabem que eu não tenho esse perfil; trato todas as pessoas de maneira igualitária. Isso é falso e a internet é terra de ninguém”, continua.

Sobre sua relação com o delegado Leonardo Assunção, Lima descreve: “ele é uma pessoa muito legal, decente e educada. Já o encontrei em situações anteriores e presenciei essas qualidades”.

O tenente-coronel salientou que confia nas investigações do caso. “Eu confio nos dois delegados competentes que foram designados para apurar essa situação. O que houve apenas foi uma tentativa de colocar meu nome contra o do delegado Assunção”.

Durante a entrevista, Rocha Lima ainda informou que 50 armas de fogo foram retiradas de circulação, em um período de sete meses, na área em que o BPE atua - no bairro de Jacintinho.