Um mês após a morte de Orlando Firmo, polícia ainda não concluiu inquérito

por
19/05/2017 - 12:23 - Atualizado em 19/05/2017 - 12:26
(Crédito: Reprodução / Redes Sociais)

Um mês após o assassinato do jovem Orlando Firmo da Cunha, de 24 anos, morto a tiros no Santos Dumont, em Maceió, no dia 18 de abril, o inquérito da Polícia Civil não foi concluído e ninguém foi indiciado.

Segundo a delegada Daniella Andrade, responsável pelo caso, que concedeu entrevista ao TNH1 no dia 24 de abril, as investigações que feitas até aquele momento descartavam a possibilidade de latrocínio (roubo seguido de morte) e indicavam que a pessoa que o assassinou conhecia a rotina do jovem.

O TNH1 voltou hoje na Delegacia de Homicídios, no Complexo de Delegacias Especializadas (Code), na Mangabeiras, para saber a conclusão da investigação, que completou um mês ontem, mas Daniella Andrade está em férias e nenhum outro delegado foi designado para o caso, segundo funcionários ouvidos pela reportagem. A delegada retorna ao trabalho na próxima semana.

O caso

Orlando Barros Firmo da Cunha, de 24 anos, foi morto no bairro do Santos Dumont, em Maceió, quando ia para o trabalho, segundo testemunhas. O crime foi registrado por volta da 6h30 do dia 18 de abril.

Ele trabalhava em uma locadora de veículos e foi atingido por dois disparos de arma de fogo na cabeça. As primeiras informações da polícia eram de que o crime tinha sido cometido por dois homens que estavam em uma motocicleta, mas posteriormente a PM confirmou que recebeu informações da participação de apenas um homem, que teria fugido do local em um carro, modelo Celta, de cor prata ou cinza.