Brasil

“Alta prevista para sexta”, diz Gabriel Luiz, após 20 dias internado

Metrópoles | 04/05/22 - 20h31
Em publicação nas redes sociais, o jornalista da TV Globo comemorou a recuperação | Foto: Reprodução/Redes Sociais

O editor e repórter da TV Globo Brasília Gabriel Luiz, 29 anos, informou, nesta quarta-feira (4/5), que deve receber alta do hospital na sexta-feira (6/5). O jornalista foi esfaqueado em 14 de abril, no Sudoeste, e segue internado em uma unidade de saúde particular do Lago Sul.

Foi o próprio Gabriel Luiz que deu a informação. “É oficial: os médicos acabaram de me dizer que minha alta tá prevista pra sexta! Vou sextar demais da conta!”, escreveu no Twitter.

O jornalista foi brutalmente esfaqueado próximo de casa, no Sudoeste, por dois jovens, em 14 de abril. Foi socorrido, inicialmente, no Hospital de Base e, depois, transferido para o Hospital Brasília.

“Cada dia no hospital tem sido um desafio diferente. Há dias de batalha e de descanso”, comentou. Na mensagem, o repórter disse que está sendo tratado pelos melhores profissionais. “Estou confiante de que a minha saída tá agora bem mais perto do que longe”, escreveu.

Gabriel agradeceu as manifestações e o apoio da população. “Queria agradecer o carinho, a torcida e as orações de todo mundo. Vocês não imaginam o tanto que isso faz a diferença! E fico sem palavras com tanto de gente que me quer bem”, afirmou.

Crime - Menos de 24h após o crime, a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) deteve os dois suspeitos de terem atacado Gabriel Luiz. Eles foram levados à delegacia em 15 de abril.

Quando se aproximaram de Gabriel, um adolescente aplicou um mata-leão – golpe que consiste em apertar o pescoço da vítima com os braços –, enquanto José Felipe Leite Tunholi, 19 anos, desferiu ao menos 10 facadas. A dupla fugiu levando o celular e a carteira da vítima, com R$ 250. Depois, eles retiraram o dinheiro e descartaram os objetos na rua.

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) denunciou José Felipe por tentativa de latrocínio e corrupção de menores.