Nordeste

Após lockdown, estados do Nordeste iniciam hoje retomada gradual da economia

TNH1 com agências | 01/06/20 - 09h47 - Atualizado em 01/06/20 - 09h52
Pernambuco anuncia flexibilização da quarentena a partir desta segunda | Foto: Diário de Pernambuco

Nesta segunda-feira, 1º de junho, alguns estados do Brasil estão anunciando a reabertura gradual da economia, com a ampliação dos serviços considerados essenciais. Na região Nordeste, os estados de Pernambuco, Ceará e Maranhão iniciaram retomada gradual da economia, Os três estados, antes, tiveram também em comum a adoção de medidas mais duras no enfretamento à pandemia do coronavírus, a exemplo do lockdown.

Em Pernambuco, o governador Paulo Câmara, assinou ontem (31) o decreto com novas regras e fim da quarentena rígida, aplicada desde o dia 16 deste mês em Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Camaragibe e São Lourenço da Mata.

O uso de máscaras continua obrigatório para quem precisar deixar as residências. Novas atividades essenciais também foram estabelecidas no decreto. Agora são serviços indispensáveis no estado pernambucano:

Assistência técnica de eletrodomésticos e equipamentos de informática;

Preparação, gravação e transmissão de aulas pela internet ou por TV aberta, e o planejamento de atividades pedagógicas, em estabelecimentos de ensino;

Processamento de dados ligados a serviços essenciais;

Serviços de auxílio, cuidado e atenção a idosos, pessoas com deficiência e/ou

dificuldade de locomoção e do grupo de risco, realizados em domicílio ou em instituições destinadas a esse fim;

Serviços de segurança, limpeza, vigilância, portaria e zeladoria em estabelecimentos públicos e privados, condomínios, entidades associativas e similares;

Serviços de entrega em domicílio de qualquer mercadoria ou produto;

Imprensa;

Estabelecimentos de aviamentos e de tecidos, exclusivamente para o fornecimento dos insumos necessários à fabricação de máscaras e outros Equipamentos de Proteção Individual - EPI`s relacionados ao enfrentamento do coronavírus.

Restaurantes, lanchonetes e similares localizados em unidades hospitalares e de atendimento à saúde e no aeroporto ou terminal rodoviário, desde que destinados exclusivamente ao atendimento de profissionais da saúde, pacientes e acompanhantes, e passageiros, respectivamente;

Restaurantes, lanchonetes e similares em geral, exclusivamente como ponto de coleta e entrega em domicílio;

Serviços de assistência social e atendimento à população em estado de vulnerabilidade;

Atividades de preparação, gravação e transmissão de missas, cultos e demais celebrações religiosas pela internet ou por outros meios de comunicação, realizadas em igrejas, templos ou outros locais apropriados;

Serviços de contabilidade;

Serviços de suporte portuário, como operadores portuários, agentes de navegação, praticagem e despachantes aduaneiros; e

Transporte coletivo de passageiros, devendo observar normas complementares editadas pela autoridade que regulamenta o setor.

Maranhão

Foto: Governo do Maranhão 

No Maranhão, uma Portaria publicada na última sexta-feira (29) pela Casa Civil do Governo, especificou os segmentos e atividades econômicas na lista dos estabelecimentos autorizados a funcionar no Estado a partir de hoje.

Os estabelecimentos comerciais, as indústrias e as empresas que estiverem autorizadas a funcionar no Maranhão terão de seguir dois tipos de medidas sanitárias para evitar a disseminação do coronavírus: as gerais e as específicas.

Entre as atividades que podem funcionar a partir de 1º de junho, estão clínicas médicas; dentistas; hotéis e pousadas; transporte coletivo; óticas; autoescolas; construção civil; salões de beleza ; comércio de móveis e variedades para o lar; supermercados e mercados; e serviços de informática e venda de celulares.

Também podem funcionar delivery e drive-thru de restaurante, bar e lanchonete; imobiliárias e escritórios; pequenas empresas exclusivamente familiares; postos de combustível e entrega e retirada de lavanderia; lojas de tecido, oficinas e loja de material de construção; bancos e coleta de lixo.

Foto: Diário do Nordeste 

Ceará

O Governo do Estado do Ceará começa hoje a fase de transição do plano de retomada da economia com 17 cadeias produtivas voltando ao trabalho. Orientado pelos indicadores de saúde, o secretário-chefe da Casa Civil, Élcio Batista, que liderou o comitê que estabeleceu as regras para o funcionamento das empresas, reforçou a importância com a higiene e observou que as prefeituras têm autonomia para decretar regras mais rígidas de isolamento social ou retomada.

Caso o cidadão more ou trabalhe em uma das sete cidades cujo isolamento social rígido foi decretado, ele poderá voltar ao trabalho se a atividade para a qual é contratado estiver no plano de retomada. A exceção é se as prefeituras publicarem decretos próprios aumentando o rigor do isolamento. "Os prefeitos tem autonomia para definir uma restrição ainda maior ou não", assegurou Élcio Batista, citando as cidades de Acaraú, Camocim, Caucaia, Itapipoca, Itarema, Maracanaú e Sobral.

Quando perguntados sobre salões de beleza, os secretários ressaltaram que este tipo de negócio só poderá funcionar com agendamento pelos clientes. "As pessoas precisam telefonar, marcando horário para evitar aglomeração. Precisamos ter cautela", afirmou Ataliba. Já Élcio indicou que toda empresa com serviço de atendimento ao público faça o agendamento quando entrar em atividade, como a de serviços básicos (energia, água e telefone - todas fora da fase de transição).

Indagados se a retomada da construção civil incluiria as empresas de reformas, ambos asseguraram que condomínios e casas podem contratar este tipo de serviço. No entanto, as empresas do setor devem ter o cuidado de verificar se os operários apresentam algum sintoma do coronavírus na retomada, segundo o secretário-chefe da Casa Civil. "A empresa que vai com os trabalhadores para realizar essas atividades vai observar se algum funcionário tem sintoma. (Caso tenha), já isola o funcionário e informa a rede de saúde para que a gente faça o teste dele", disse Élcio Batista.

O mesmo cuidado foi observado no caso do retorno de diaristas e empregadas domésticas. "O decreto não traz restrições, mas é superimportante que as pessoas que prestam serviço na casa de outras tenham protocolos que sejam seguidos", alertou, aconselhando o uso constante de máscaras e álcool pelos patrões e pelos empregados.

Rigor nas questões sanitárias também foi indicado para as clínicas médicas, como as odontológicas, que foram autorizadas a funcionar a partir desta segunda-feira (1º) por fazerem parte da cadeia produtiva da saúde. "Nas clínicas odontológicas é muito importante que usem EPIs (equipamentos de proteção individual) e sigam os protocolos. É fundamental que o paciente e os profissionais possam se proteger", destacou Élcio.

Os protocolos a que ele se refere foram enviados a cada representante de cadeia produtiva e constituem regras detalhadas sobre a operação de cada uma das empresas liberadas para funcionar na transição e ao longo das etapas.