Nordeste

Após reencontro, gêmeos cearenses separados há 23 anos decidem morar juntos em MG

Diário do Nordeste | 10/09/20 - 15h07
Jean Ribeiro

A história dos gêmeos cearenses Tomaz e Gabriel ganha mais um capítulo neste mês. É que após o reencontro dos dois, em junho deste ano, separados desde o nascimento, em 1997, eles decidiram morar juntos no estado de Minas Gerais. A viagem de Tomaz, adotado por uma família de Fortaleza, acontecerá na próxima segunda-feira (14). A decisão veio logo depois dos 21 dias de convivência no município de Uberaba.

“Já era algo anunciado, já estava estampado no meu rosto. De uma forma ou de outra iria se concretizar, só não imaginava que seria tão rápido e que, mais uma vez, essa separação me deixaria tão mal”, conta Tomaz.

Gabriel, por sua vez, descreve aquele reencontro no mês de junho como uma experiência única. Prorrogá-la, portanto, era o natural.

“Ter ele ao nosso lado, e ver os nossos amigos abraçando ele me fez sentir paz e grande felicidade. Era meu sonho ter ele comigo, darmos risadas, estar na presença dos amigos com a companhia dele, foi um sentimento que eu nunca tive”. 

As mães adotivas do gêmeo residente no Ceará foram as primeiras a incentivar a mudança definitiva. “Tive uma criação muito linda. Tenho duas mães que me entendem, que sentem comigo, me permitem ter as minhas próprias vivências e sempre me apoiam. Dessa vez não seria diferente. A família de Uberaba adorou a novidade e já me acolhe de braços abertos”, expõe Tomaz, que, até decidir pela viagem, trabalhava no Museu da Fotografia Fortaleza.

Planos

De início, os gêmeos vão morar juntos. Tomaz deve trabalhar com a cobertura fotográfica de eventos, uma de suas especialidades na área, e também com ensaios. Ele idealiza ainda a abertura de um estúdio. Eles acalentam ainda o desejo de ir para Curitiba, mas isso só se concretizará após a formação da esposa do Gabriel, que está se graduando em Psicologia e deve se formar até 2021.

Nesta nova fase, Tomaz espera se aproximar ainda mais do irmão. “Sinto que precisamos nos conhecer e viver a experiência de estarmos próximos, de nos dar amparo e suprir uma falta que é a experiência de vivermos juntos”, diz.

Em Minas, Gabriel e Carol aguardam o cearense com o sentimento de “casa cheia, de preenchimento”. “Ele é uma pessoa de luz e essa luz vai nos ajudar a enxergar e fazer com que sejamos pessoas cada vez melhores. Alguém para sorrir conosco, para compartilhar os momentos difíceis, para evoluir com a gente, era tudo o que nós precisávamos. E não poderia ser outra pessoa melhor senão o irmão gêmeo que eu sempre sonhei em ter ao meu lado”, comemora.

Para aqueles que estão em busca semelhante, Tomaz incentiva a terem esperança.

“Existe algo muito forte na gemelaridade, nós sentimos a existência um do outro. Isso foi fundamental para que pudéssemos nos encontrar. Mas, seja em qualquer situação, se há um sentimento e uma força para essa busca, nunca a abandone. A vida nos traz porquês que muitas vezes não conseguimos entender, mas, o tempo se encarrega de resolver”.