Brasil

Brasil atinge marca de 500 mil mortos por Covid-19

Metrópoles | 19/06/21 - 15h08
Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Depois de 1 ano e 3 meses de pandemia, o Brasil chegou, neste sábado (19/6), à marca de 500 mil mortos por Covid-19. O número, coletado a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde, foi registrado pelo Consórcio de Veículos de Imprensa*.

A quantidade exata de óbitos registrados é de 500.022. Além disso, foram contabilizados, até o momento, 17.822.659 casos positivos da doença.

Segundo medição do Imperial College de Londres, a taxa de transmissão (Rt) do coronavírus no Brasil subiu esta semana e está em 1,07. Isso significa que cada 100 pessoas com o vírus infectam outras 107. Acima de 1, a situação é classificada como “fora de controle”. Quando fica abaixo de 1, a taxa indica tendência de desaceleração do contágio.

Ao longo desta semana, a média móvel diária de casos e mortes também voltou a subir. Na sexta-feira (18/6), o índice bateu a marca de 2 mil pelo terceiro dia seguido, e o país registrou o recorde de diagnósticos positivos computados em um único dia desde o início da pandemia: 98.135.

Em números absolutos, o Brasil segue como o segundo país com mais mortes por coronavírus registradas, atrás apenas dos Estados Unidos — que esta semana superou a marca de 600 mil vítimas. A Índia aparece em terceiro, registrando mais de 380 mil óbitos.

Vacinação lenta

O Brasil aplicou, até este sábado, 86.031.170 de vacinas contra a Covid-19. Do total, 61.859.364 brasileiros receberam a primeira dose do imunizante, o que representa 29,21% da população do país.

No entanto, apenas 24.171.806 de pessoas foram contempladas com o segundo reforço. O número equivale a 11,41% da população brasileira. Vale ressaltar que, para garantir a proteção completa dos fármacos, é necessária a aplicação das duas doses. Os dados também são do Consórcio de Veículos de Imprensa.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, lamentou o número de mortes. Nas redes sociais, o cardiologista ressaltou as ações da pasta no combate à pandemia. “500 mil vidas perdidas pela pandemia que afeta o nosso Brasil e todo o mundo. Trabalho incansavelmente para vacinar todos os brasileiros no menor tempo possível e mudar esse cenário que nos assola há mais de um ano”, escreveu.

Ele ainda desejou “solidariedade” aos familiares de vítimas: “Presto minha solidariedade a cada pai, mãe, amigos e parentes, que perderam seus entes queridos”, publicou.

*O Consórcio de Veículos de Imprensa é formado por: G1, O Globo, Extra, Estadão, Folha e UOL.