Brasil

Brasileira assassinada na Argentina fazia barriga de aluguel

Metropóles | 22/02/22 - 09h10
Brasileira assassinada na Argentina fazia barriga de aluguel | Foto: Reprodução/Redes Sociais

Fernando Alves Ferreira, assassino confesso de Eduarda Santos de Almeida, de 27 anos, disse, em audiência de custódia, que contratou a vítima para ser barriga de aluguel e, após isso, passou a ser chantageado por ela. Ele matou Eduarda com nove tiros, na cidade de San Carlos de Bariloche, na Argentina.

O assassino confesso contou que ele e o marido contrataram Eduarda para que ela desse à luz os filhos gêmeos do casal. O companheiro de Fernando, no entanto, foi contaminado com a Covid-19 e morreu há sete meses. Desde então, Fernando e Eduarda passaram a morar juntos. Segundo o relato de Fernando, Eduarda passou a fazer exigências que não estavam previstas no contrato de barriga de aluguel.

Além de pedir maiores quantias de dinheiro, a jovem o ameaçava, segundo ele, de levar as crianças para o Rio de Janeiro, onde residia antes de ir à Argentina e dizia ter ligação com o tráfico. Se condenado, Fernando poderá pegar uma pena de 20 a 30 anos de prisão pelo crime de feminicídio na Argentina.

Entenda o caso- Eduarda Santos de Almeida, de 27 anos, foi vítima de feminicídio em Bariloche, na Argentina. Fernando Alves Ferreira se declarou culpado do crime e alegou que estava “correndo risco de vida” por ter notado que faltavam munições de uma arma que o casal brasileiro tinha.

O corpo de Eduarda foi encontrado na região turística de Circuito Chico com vários hematomas e marcas de nove tiros. Segundo o jornal argentino El Cordillerano, Fernando se apresentou à Justiça no último dia 18, mesmo contra a recomendação dos advogados de defesa.

“Gostaria de receber apoio psicológico e me declaro culpado pela morte de Eduarda Santos. Sou responsável. Não planejei, mas tive a opção, considerando que minha vida estava em perigo. Desculpe, mas minha vida veio em primeiro lugar”, disse o criminoso.

Além de acompanhamento psicológico, o homem também pediu investigação no celular e disse que a segurança dos filhos estaria em primeiro lugar. “Minha cunhada já chegou a Bariloche e é responsável pelos meus filhos. Neste momento, é a coisa mais importante para mim”, frisou.