Economia

Brasileiros terão que trabalhar seis meses a mais para se aposentar

Metrópoles | 30/11/21 - 13h14 - Atualizado em 30/11/21 - 13h20
Reprodução

A partir desta semana, os trabalhadores que entram na regra de transição da Reforma da Previdência terão que trabalhar seis meses a mais até completarem a idade mínima para se aposentar – estabelecida em 65 anos para homens, e 62 anos para mulheres. Conforme previsto na reforma, que completou dois anos em 2021, criou-se uma tabela escalonada para a concessão dos benefícios, que é corrigida a cada seis meses.

No caso das mulheres, a regra permite que as trabalhadoras se aposentem com 61 anos. A partir do ano que vem, entretanto, elas terão que ter 61,5 anos. Em 2023, 62 anos. Para os homens, nada mudou, uma vez que a regra da idade mínima já era 65 anos. Isso significa que as mulheres, que antes se aposentavam por idade aos 60 anos, agora têm que trabalhar seis meses a mais, a cada ano, até chegarem aos 62 anos.

A reforma de 2019 também mudou as regras da aposentadoria por tempo de contribuição. Antes, os homens que comprovassem 35 anos de contribuição e as mulheres que completassem 30 anos de serviço tributado poderiam se aposentar. Agora, essa regra permanece apenas para aqueles que estão na transição. No caso dos homens, ela se encerra em 2027; já para as mulheres, somente em 2031.

Entenda as principais regras para se aposentar com a idade mínima

Homens:

  • 65 anos de idade e 15 anos de tempo de contribuição; e
  • Tempo de contribuição cresce de seis em seis meses por ano, até chegar aos 20 anos necessários de contribuição.

Mulheres:

  • 60 anos de idade e 15 anos de tempo de contribuição; e
  • O requisito de idade vai aumentar em seis meses por ano, até chegar aos 62 anos necessários de idade.

Sistema de pontos - Nessa regra, o trabalhador soma a idade com o tempo de contribuição. Vale ressaltar que é necessário ter contribuído por 35 anos (homens) e 30 anos (mulheres). Em 2021, as mulheres podem se aposentar com 88 pontos, e os homens com 98 pontos. A tabela vai aumentando um ponto a cada ano, até chegar aos 100 pontos para as mulheres e 105 para os homens.