Nordeste

CE: governador pede apoio de tropas federais para conter 'ações de vandalismo' de policiais

Diário do Nordeste | 19/02/20 - 14h52
Reprodução

O governador Camilo Santana afirmou, em pronunciamento na tarde desta quarta-feira (19), que entrou em contato com o Governo Federal para solicitar apoio de tropas federais para conter as "ações de vandalismo" que vêm sendo praticadas por policiais contra a segurança pública desde a tarde desta terça-feira (18). 

Segundo o chefe do executivo estadual as "ações criminosas", realizadas "por homens mascarados – alguns policiais - e por mulheres que se apresentam como esposas de militares", não somente prejudica a segurança pública do Estado, como ainda apresenta "interesses de pequenos grupos, que se aproveitam da boa fé da tropa para mentir, ganhar dinheiro e para se projetar politicamente, especialmente em anos de eleição como este". 

Camilo garantiu ainda que, nos últimos cinco anos, nunca "se investiu tanto em segurança pública e na valorização dos profissionais como o Governo do Ceará". E, mesmo em meio a um cenário de crise econômica, "aumentamos a remuneração de todos as forças de segurança, com ganhos reais e significativos. Com essa nova reestruturação policial que anunciei recentemente, há patentes militares que terão aumento de até 100% até o final do nosso Governo", disse.

Protestos e paralisações

Entre a noite de terça-feira (18) e a manhã desta quarta-feira (19), paralisações, esvaziamento de pneus e atos em batalhões foram registrados em Fortaleza e em pelos menos sete cidades do Interior (Barbalha, Canindé, Crato, Iguatu, Juazeiro do Norte, Quixadá e Sobral). Os grupos de policiais que promoveram esses atos se dizem insatisfeitos com o reajuste salarial proposto pela categoria, embora, Governo e representantes de associações já tenham divulgado acordo quanto à proposta.

O Sistema Verdes Mares esteve no 17º, 18º e 12º Batalhões na manhã desta quarta-feira. No 18º Batalhão, há policiais concentrados dentro da unidade, com inclusive, chegada de alimentos para os agentes e até para crianças. Em Caucaia, no 12º Batalhão, há 35 viaturas na frente e na lateral da unidade, todas com pneus esvaziados, além da presença de cerca de 10 PMs encapuzados.  No 17º, no Conjunto Ceará, cinco viaturas estão com pneus vazios, mas não há bloqueio de entrada e saída na unidade. 

Na madrugada, no bairro Papicu, um grupo com aproximadamente 30 pessoas encapuzadas invadiu o 22º Batalhão da PM e levou cerca de 10 carros do local. 

261 investigados e fora da folha de pagamento

O secretário da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), André Costa, afirmou que 261 policiais militares serão investigados por crimes militares no Ceará relacionados a paralisações e danos a viaturas da corporação. As mulheres participantes dos atos também serão investigadas. Segundo Costa existem "grupos da Políica Militar  que têm praticado crimes militares e atos de vandalismo", disse em coletiva na manhã desta quarta-feira (19). "Para essas pessoas, vamos agir com todo o rigor", acrescentou. Ainda de acordo com ele, os PMs irão responder por motim, revolta, insubordinação e devem ficar sem salários já na próximo folha.