Nordeste

Com 1.655 novos registros, Ceará soma 25.910 casos de Covid-19; mortes chegam a 1.648

Diário do Nordeste | 18/05/20 - 11h26
Foto: Ministério da Saúde

O Ceará soma 25.910 casos confirmados e 1.648 mortes provocadas por complicações da infecção causada pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2), conforme dados divulgados no boletim da plataforma IntegraSUS, da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), às 9h53 desta segunda-feira (18).

Ao todo, foram 7 novas mortes e 1.655 casos a mais ante o último informe, às 17h11 deste domingo (17), que apontava 1.641 óbitos e 24.255 diagnósticos positivos para a doença.

Os números apresentados pela Secretaria da Saúde fazem referência à disponibilidade dos resultados dos testes para detectar a presença dos vírus, o que não corresponde necessariamente à data da morte ou do início da apresentação dos sintomas pelo paciente.

Outros 455 óbitos suspeitos de coronavírus estão sendo investigados, enquanto a letalidade da doença no Ceará, no momento, é de 6,4%.

Fortaleza, que ultrapassou os mil óbitos no último dia 13, é a cidade cearense a concentrar a maioria dos registros, com 1.176 mortes e 15.994 casos confirmados. Caucaia e Maracanaú, na Região Metropolitana, vêm em seguida com 916 e 714 casos, respectivamente. 

Os dados também mostram que 14.412 pessoas se recuperaram da Covid-19 até o início da manhã de hoje. Em relação à última atualização da plataforma, que anotava 14.068 registros, mais 344 pessoas receberam alta hospitalar ou ficaram livres da doença. O número de pacientes recuperados passou a ser divulgado pela Sesa somente no último dia 9 de maio.

O Estado soma ainda 39.241 casos em investigação e 64.445 testes realizados para detecção da doença.

MAIS DA METADE DA POPULAÇÃO INTEGRAM GRUPOS DE RISCO NO CEARÁ

Utilizando dados da Pesquisa Nacional de Saúde feita em 2013, pesquisadores do Departamento de Medicina Preventiva da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM-Unifesp) apontam que 53,7% dos maiores de 18 anos no Ceará podem ser parte de um grupo de risco para o coronavírus.

Foram levados em conta idade avançada, doenças como diabetes e hipertensão, além de cânceres, problemas respiratórios, obesidade ou tabagismo. A porcentagem corresponde a mais de 3,6 milhões de pessoas.

Fiscalização deficiente

Equipes do Sistema Verdes Mares percorreram, entre 7h45 e 19h30 da última sexta-feira (15), mais de 180km em 35 bairros de todas as Regionais de Fortaleza, para observar como a cidade tem reagido às medidas de isolamento social rígido, válidas em âmbito municipal desde o dia 8 de maio. A constatação foi simples: o lockdown não está funcionando, e tem como gargalo a própria falta de fiscalização, principalmente nas zonas periféricas da Capital.

Embora a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) garanta que "realiza, junto com os órgãos estaduais e municipais, ações de fiscalização e orientação", inclusive "nos locais onde são registrados os maiores índices de ocorrências", a reportagem flagrou aglomerações, desrespeito ao uso de máscaras de proteção e abertura de comércios não essenciais em vários locais, algumas ocorrências presenciadas por composições da própria Polícia Militar.