Brasil

Covid-19 já matou 899 indígenas

Metrópoles | 29/12/20 - 08h13
Foto: Igo Estrela/Metrópoles

A pandemia que assola o mundo em 2020 não tem poupado nem os indígenas brasileiros. Diante do cenário, lideranças desses povos têm reclamado, ao longo do ano, por socorro do poder público. O objetivo era evitar as proporções que a doença tomou. Segundo a Articulação dos Povos Indígenas dos Brasil (Apib), 899 membros de 161 etnias morreram de Covid-19 no país até a véspera de Natal.

O primeiro caso de infecção entre indígenas brasileiros foi de uma jovem do povo Kokama, no Amazonas, em 25 de março deste ano. Segundo a Apib, o vírus foi levado por um médico de São Paulo a serviço da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), informação que o governo não confirma. Hoje, os Kokama são a etnia mais afetada, tendo perdido 68 vidas.

As reclamações de entidades como a Apib sobre a falta de condições para as etnias resistirem sozinhas à pandemia ressoaram no Supremo Tribunal Federal (STF), que, repetidas vezes, determinou ao governo que colocasse em prática um plano para proteger os cerca de 900 mil indígenas brasileiros.

Nesta semana, o ministro Luís Roberto Barroso negou pela quarta vez a homologação do Plano Geral de Enfrentamento à Covid-19 para Povos Indígenas. O magistrado determinou que um novo documento seja enviado para apreciação até o dia 8 de janeiro do próximo ano. Segundo Barroso, o plano apresentado pelo governo após determinação do próprio Supremo é “genérico”.

“Impressiona que, após quase 10 meses de pandemia, não tenha a União logrado o mínimo: oferecer um plano com seus elementos essenciais, situação que segue expondo a risco a vida e a saúde dos povos indígenas”, escreveu o ministro em decisão de 21 de dezembro.

Enquanto o impasse não se resolve, Barroso ordenou que o governo execute, provisoriamente, a versão apresentada.

Acusação de crime contra a humanidade

A situação dos povos indígenas brasileiros também repercute no exterior. Há duas semanas, o Tribunal Penal Internacional informou que examina queixa apresentada contra o presidente Jair Bolsonaro por suposta negligência em relação às comunidades indígenas durante a pandemia.

A denúncia que agora tramita na Corte internacional é fruto de representação protocolada ainda em abril pela Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) – a entidade acusa o presidente do Brasil de prática de crime contra a humanidade