Brasil

Covid: 869 municípios ficaram sem segunda dose de vacina nesta semana

Metrópoles | 30/04/21 - 21h05
Gustavo Moreno / Especial Metrópoles

Nesta semana, 869 municípios brasileiros ficaram sem doses para a segunda aplicação da vacina contra a Covid-19 dentro do prazo estabelecido pelo laboratório fabricante. A informação consta na pesquisa publicada pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) nesta sexta-feira (30/4), com dados colhidos entre os dias 26 e 29 de abril.

O estudo não detalha qual é o imunizante que está em falta nas cidades. No entanto, diversos estados e o próprio Ministério da Saúde já relataram que os problemas notificados referem-se à vacina Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan.

De acordo com o CNM, 2.831 municípios foram procurados para responder à pesquisa sobre a falta de imunizantes. Os que não receberam a segunda dose representam 30,7% dos locais citados no estudo.

Na última semana, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que o atraso na distribuição de vacinas para a segunda dose da Coronavac foi causado pela demora na entrega do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) ao Instituto Butantan.

Em pronunciamento no Palácio do Planalto na quarta-feira (28/4), Queiroga disse que a aplicação da segunda dose em grupos prioritários deve ser regularizada apenas na próxima semana.

Kit intubação

A escassez de medicamentos para intubação orotraqueal de pacientes com Covid-19 também foi um dos temas abordados na pesquisa. De acordo com o CNM, 641 municípios afirmaram que houve risco iminente de que os hospitais locais ficassem completamente desabastecidos dos remédios que compõem o kit intubação.

O número representa 22,6% dos 2.831 municípios procurados para o estudo. O dado é menor do que o coletado pela confederação no fim de março. Entre os dias 23 e 25 do último mês, 1.316 gestores locais afirmaram enfrentar o risco de escassez de remédios.

Mesmo com a redução, o sinal é de alerta. “A CNM destaca que, apesar da queda, a situação ainda é crítica diante dos impactos que pode trazer ao tratamento das pessoas em estado grave”, afirmou a organização, em nota.

Oxigênio e internações

Apesar do baixo índice, há outro dado expressivo: o de pacientes intubados em unidades de pronto atendimento (UPAs).

Entre os gestores locais procurados pela pesquisa, ao menos 77 informaram que há pacientes intubados nas UPAs locais. O número representa 64,7% do total de cidades procuradas pela pesquisa.

“A CNM espera que esses dados possam ser utilizados de forma a auxiliar os municípios brasileiros neste momento de dificuldade e ações concretas sejam realizadas para mitigar os problemas nos sistemas de saúde de todo o país”, afirmou a confederação.

Atraso

Em nota técnica publicada na segunda-feira (26/4), o Ministério da Saúde detalhou quais são os grupos prioritários que esperam a chegada da vacina. São 416.507 pessoas, que representam 3% dos trabalhadores da saúde; 6,2% dos profissionais das forças de segurança, salvamento e Forças Armadas; e 1,9% dos idosos entre 60 e 64 anos de idade.

O prazo de aplicação da segunda dose desses cidadãos vence entre os dias 12 e 20 de maio.

A pasta ressalta que a redução da eficácia do imunizante é “improvável” em caso de atraso na aplicação da segunda dose – no entanto, pontua que o prazo de vacinação deve ser respeitado. Para a Coronavac, a segunda etapa vacinal deve ser finalizada quatro semanas após a primeira dose.