Mundo

Covid: mortalidade cai 97% com CoronaVac e 80% com Pfizer, diz estudo no Uruguai

Metrópoles | 28/05/21 - 14h13 - Atualizado em 28/05/21 - 14h19
Carla Cleto / Agência Alagoas

De acordo com um estudo feito pelo Ministério de Saúde Pública do Uruguai, e publicado nesta sexta (28/5) em versão preliminar, a vacina Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan, diminui a chance de morte pela Covid-19 em 97%, enquanto o imunizante da Pfizer, em 80%. Nos casos totais, a fórmula da Sinovac tem 57% de eficácia, enquanto a da multinacional americana chega a 75%.

O levantamento também concluiu que, na prevenção de hospitalização em UTI, a Coronavac é 95% eficaz, e a da Pfizer, 99%.

Foram analisados dados de 712 mil uruguaios que tomaram as duas doses da vacina do Butantan e 149 mil imunizados com a fórmula da farmacêutica americana. Do primeiro grupo, 5.360 foram contaminados com a Covid-19, 19 foram internadas em UTI e seis morreram.

Entre os que tomaram as doses da Pfizer, 691 foram infectados, uma precisou de hospitalização em unidade de terapia intensiva, e oito faleceram. Todos os que morreram após receber a vacina americana tinham mais de 80 anos.

Os responsáveis pelo levantamento alertam que os dados são preliminares, e devem ser interpretados com cautela. Não entraram na análise a idade dos pacientes, as comorbidades, ou se estão em grupo de risco quanto à exposição ao vírus. Os próximos relatórios devem ser publicados com mais detalhamento.