Conteúdo de Marca

Dívidas dos times brasileiros de futebol já somam R$ 8 bilhões, aponta estudo

22/09/20 - 09h00 - Atualizado em 22/09/20 - 09h00

Pesquisa divulgada recentemente pelo banco Itaú, aponta que a dívida dos times brasileiros somam um valor acima de R$ 8 bilhões em 2019.

Os clubes de futebol do Brasil fecharam 2019 com R$ 8,093 bilhões em dívidas. O número foi apresentado nesta terça-feira (28) em estudo do Itaú BBA conduzido pelo economista Cesar Grafietti, que analisou os balanços divulgados por 25 instituições esportivas do país.

O estudo considera os débitos somados dos clubes, que passam por pagamento de dívidas trabalhistas, dívidas operacionais (contratação de jogadores, salário dos  funcionários e demais encargos) e dívidas fiscais. Baseado nos demonstrativos contábeis divulgados publicamente pelos clubes analisados, pode-se notar um aumento de 43% em dívidas operacionais. O salto geral foi R$ 1,981 bilhão, em 2018, para R$ 2,728 bilhões, em 2019.

Já as obrigações fiscais pouco aumentaram, passando de R$ 3,081 para R$ 3,207 bilhões. É necessário lembrar que essa dívida tem custo aceitável e longo prazo (chega a 15 anos), e mesmo nos casos mais graves, não deveria ser um problema para clubes organizados.

Conforme a análise de 310 páginas, divulgada pelo banco, o Atlético lidera o ranking de dívidas, com R$ 746 milhões. Em seguida aparecem Botafogo, R$ 708 milhões; Cruzeiro, R$ 707 milhões; e Corinthians, R$ 652 milhões. O Vasco ocupa a quinta colocação, com R$ 567 milhões em dívidas.

Alguns clubes, que possuem passivos vultosos, são compensados por grandes arrecadações. São os casos de Flamengo (receita de R$ 841 milhões / dívida de R$ 563 milhões) e Palmeiras (receita de R$ 635 milhões / dívida de R$ 530 milhões). O Grêmio também surge como exemplo: recebeu R$ 391 milhões em 2019, ante débito de R$ 238 milhões.

A relação da arrecadação com o passivo total do clube é uma medida de avaliação relevante para se diagnosticar a gravidade de cada situação. Equipes que encabeçam a lista, como Atlético, Cruzeiro e Botafogo, possuem um poder de arrecadação relativamente baixo, o que agrava ainda mais a situação. Já o Vasco, que possui uma grande torcida e está se reestruturando financeiramente, graças às parcerias firmadas com o BMG e com a empresa de apostas esportivas e cassino online Netbet. Os novos programas de sócio torcedor mais baratos, promovidos pelo clube, permitem com que mais torcedores possam contribuir mensalmente com o time.

Outras instituições estão financeiramente mais saudáveis. O Fortaleza, que embolsou R$ 120 milhões em 2019, deve “apenas” R$ 37 milhões. O Ceará atingiu R$ 98 milhões em receita e elevou pouco sua dívida: R$ 12 para R$ 16 milhões. Já o Goiás, com faturamento de R$ 83 milhões no ano passado, precisa se preocupar em pagar somente R$ 24 milhões.


  • Ranking dos Dez Maiores Devedores do Futebol Brasileiro, Segundo o Itaú BBA

*Em parênteses está a arrecadação de cada clube citado.

1- Atlético - R$ 746 milhões (R$ 256 milhões)

2- Botafogo - R$ 708 milhões (R$ 186 milhões)

3- Cruzeiro - R$ 707 milhões (R$ 290 milhões)

4- Corinthians - R$ 652 milhões (R$ 359 milhões)

5- Vasco - R$ 567 milhões (R$ 199 milhões)

6- Flamengo - R$ 563 milhões (R$ 841 milhões)

7- Palmeiras - R$ 530 milhões (R$ 635 milhões)

8- São Paulo - R$ 526 milhões (R$ 374 milhões)

9- Athletico-PR - R$ 506 milhões (R$ 355 milhões)

10- Internacional - R$ 443 milhões (R$ 417 milhões)