Economia

Donos da Riachuelo, Madero e outras 300 empresas propõem volta da CPMF

Metrópoles | 12/04/22 - 19h15
Reprodução

Em seminário promovido, nesta terça-feira (12/4), pelo Instituto Unidos Brasil (IUB), think tank que reúne donos de mais de 300 empresas, como Riachuelo, Madero, Cacau Show, Hospital Albert Einstein e Polishop, o grupo de empresários sugeriu um esforço concentrado em torno de algumas medidas para a classe.

Entre as sugestões, uma propõe a desoneração permanente da folha de pagamento por meio da criação de tributo similar à “Contribuição Sobre Movimentação ou Transmissão de Valores e de Crédito e Direitos de Natureza Financeira”, antiga CPMF. Segundo eles, as ideias seriam levadas ao Congresso, que poderia pô-las em prática mediante Propostas de Emenda à Constituição (PEC).

Representantes da Frente Parlamentar do Empreendedorismo (FPE) também estavam presentes no evento.

Em 1º de janeiro deste ano, a desoneração da folha de pagamento de 17 setores da economia foi prorrogada por dois anos, até 2023. Dessa forma, a lei permite que as empresas substituam as contribuições previdenciárias, atualmente estipuladas no percentual de 20% sobre o salário dos funcionários, por uma alíquota da receita bruta, que varia de 1% a 4,5%.