Futebol Nacional

Falsos empresários abandonam 22 atletas após promessa de teste em clube de Zico

Metrópoles | 29/07/22 - 21h15
Foto: Reprodução/Metrópoles

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) apura um golpe aplicado contra um grupo de 22 jogadores de futebol que desembarcou na capital da República vindos do Rio de Janeiro. Os atletas foram abandonados desde 6 de junho, à míngua, por dois falsos empresários que haviam prometido uma série de testes no clube CFZ, de propriedade de Zico, ex-jogador ídolo do Flamengo. A polícia estima que o golpe já tenha ultrapassado os R$ 100 mil.

Investigadores da 14ª Delegacia de Polícia (Gama) descobriram que os jogadores, boa parte de comunidades carentes do Rio, desembolsaram R$ 2 mil para terem a chance de se tornarem atletas do CFZ. Cabe ressaltar que o CFZ não tem qualquer ligação com o estelionato praticado. Os golpistas garantiram aos familiares que os jovens – entre eles dois adolescentes -, teriam toda a assistência necessária, como alimentação, traslado e hospedagem.

No entanto, quando desembarcaram no DF, as promessas não foram cumpridas pelos falsos empresários. Os hotéis que hospedaram os jogadores não receberam os valores cobrados pelas diárias. “Conforme as dívidas eram feitas, os atletas acabavam despejados. Iam para outro hotel e o golpe era novamente aplicado”, explicou o delegado da 14ª DP (Gama) Willian Ricardo.

Auxílio da população - Os jogadores acabaram ficando no DF sem qualquer tipo de auxílio, sem alimentação, dinheiro ou hospedagem. Consternado com a situação, o dono de um dos hotéis que foi lesado pelos empresários fakes passou a ajudar os atletas fornecendo quentinhas para garantir as refeições dos jovens.

Sensibilizada com a situação dos jogadores, uma moradora da região cedeu uma casa de um quarto para que eles tivessem onde passar as noites, já que todos estavam na rua. “Dois dos atletas, que eram adolescentes, foram enviados de volta ao Rio de Janeiro após as famílias enviarem o dinheiro das passagens”, explicou o delegado.

Servidores da Administração Regional do Gama foram ao local onde os garotos estão dormindo para tentar viabilizar um atendimento até que todos possam voltar ao Rio de Janeiro. Existe a possibilidade de os atletas serem levados para um dos Centros de Referência e Assistência Social (Cras) do Gama.

A coluna apurou que os dois golpistas são Marcelo Melo de Barros e e Cristiano Ribeiro Mota. Ambos são procurados pela PCDF depois de um inquérito ser aberto para apurar os golpes. Quem tiver informações sobre o paradeiro dos suspeitos pode ligar para o disque-denúncia pelo número 197.