Nordeste

Foragido do Amazonas preso no Ceará gastou cerca de R$ 30 mil em intervenções cirúrgicas

Diário do Nordeste | 20/10/20 - 14h51
Reprodução

O foragido do Estado do Amazonas, identificado como Lenon Oliveira do Carmo, de 39 anos, preso no Ceará no último sábado (17), gastou cerca de R$ 30 mil em procedimentos cirúrgicos para mudar a própria aparência. O suspeito teria modificado o nariz, orelhas e, ainda, realizado uma harmonização facial. 

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), além da cirurgia no nariz, orelhas e da harmonização facial, Lenon Oliveira fez, também, procedimentos na boca e uma modificação em uma tatuagem. As intervenções teriam acontecido em 2019, no Ceará, estado onde o suspeito estava foragido. 

Conforme a SSP-AM, Lenon Oliveira utilizava uma identidade falsa para conseguir fazer os procedimentos, se identificando como Aylon Soares Cardoso. O Órgão informou ainda que o foragido ostentava uma vida de luxo no Ceará financiada pelo tráfico de drogas e vendas de terrenos obtidos a partir de invasões em Manaus. O repasse dos recursos era feito por meio de 'laranjas'. 

Prisão em casa de alto padrão no Ceará

Apesar do disfarce, Lenon foi preso em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). A captura dele aconteceu enquanto o foragido visitava sua nova moradia, uma casa de alto padrão localizada a poucos metros da Praia do Icaraí. 

Antes de ser preso no Ceará, Lenon Oliveira já havia mudado de identidade, passando a se chamar Aylon Soares Cardoso. Ele estava foragido desde 2018, quando o suspeito foi transferido do sistema prisional do estado amazonense para uma unidade em Mossoró, no Rio Grande do Norte.

Ao retornar para o Amazonas, contudo, o foragido obteve da Justiça o direito à prisão domiciliar, com uso de tornozeleira eletrônica. Após destruir o equipamento, ele fugiu do Estado.

Crimes atribuídos ao suspeito

Com um extenso histórico criminal, Lenon é apontado como um dos participantes do massacre que aconteceu em janeiro de 2017, no Complexo Penitenciário Antônio Jobim (Compaj), localizado em Manaus. Na matança, 56 detentos foram brutalmente assassinados. 

Conforme a SSP-AM, além de já ter sido preso por tráfico de drogas, associação para o tráfico, homicídios e por crimes ambientais, Lenon Oliveira comandava, ainda, invasões de terras em Manaus. Em uma das empreitadas, um local foi invadido e, nele, foi criado um clube de lazer para traficantes, onde o foragido chegou a desviar o curso de um rio para ter um próprio balneário natural.

A Polícia daquele Estado suspeita que o clube serviria como uma espécie de "bunker", onde os criminosos montariam estratégias para o planejamento de fugas de traficantes presos em regime fechado no sistema prisional.

Líder de milícia no Amazonas

Conforme a SSP-AM, Lenon é apontado como autor de vários homicídios relacionados ao tráfico de drogas, que aconteceram em Manaus, capital do Estado do Amazonas. Respondendo a uma série de processos que, juntos, somam uma pena de mais de 60 anos de prisão em condenações, o foragido liderava uma milícia armada responsável pela venda de entorpecentes.

O foragido comandava o tráfico de drogas em diversos bairros da capital amazonense. Ele fazia o transporte dos entorpecentes por meio das orlas fluviais da cidade. 

Segundo ainda a Pasta, Lenon era integrante de uma facção criminosa que atuava no Amazonas, porém, há cerca de dois anos, mudou de grupo criminoso, passando a fazer parte de uma organização de origem do Rio de Janeiro, na qual ocupava um posto de comando.

O foragido era considerado uma espécie de executivo do presidiário Gelson Carnaúba, conhecido como "Mano G", chefe do grupo criminoso oriundo do Rio de Janeiro.