Polícia

Funcionário de parque de diversões é preso suspeito estuprar adolescente de 15 anos

Dayane Laet com Deic | 05/02/20 - 07h27 - Atualizado em 05/02/20 - 11h31
Suspeito foi preso e levado para sede da Deic | TNH1 / Arquivo

Um dos funcionários terceirizados de um parque de diversões que funciona próximo a um shopping no bairro de Mangabeiras, em Maceió, foi preso nessa terça-feira (4), após ser denunciado por estuprar uma adolescente de 15 anos. 

Segundo informações da polícia, o suspeito tem 28 anos e é natural de Limoeiro (PE). Ele teve acesso à vítima através de um amigo em comum, de 17 anos, e passou a assediá-la depois de perceber que ela estava emocionalmente fragilizada.  

Testemunhas relataram que, a princípio, o homem tentou manter relação sexual consentida, mas após a recusa da vítima, ele a obrigou a acompanhá-lo até o estacionamento dos caminhões do parque e a estuprou no chão, tapando sua boca e dizendo que ‘se ela gritasse, quebraria seu pescoço’. Uma testemunha viu o acusado deitado no chão do terreno, mantendo relações sexuais com a vítima tapando a boca dela. 

Tanto a vítima como uma das testemunhas relataram que o acusado, minutos antes da prática do crime, convidou a adolescente para bares na região bem como perguntou se eles usavam “pó” (cocaína).  Após a prática do crime, o suspeito liberou a vítima e passou a fingir amizade. 

O homem foi preso na manhã do dia seguinte ao crime, e levado para sede da Divisão Especial de Investigação e Captura (Deic), onde assumiu a relação sexual mas afirmou ter sido consensual e se defendeu afirmando que a vítima havia dito que tinha 18 anos. A vítima e seus pais também prestaram depoimento, bem como testemunhas do crime. O pai da menina contou na delegacia que a adolescente pediu para passar o dia e dormir na casa de uma amiga e que por se tratar de algo habitual os responsáveis não suspeitaram que ela tivesse ido no parque.

Segundo informações do delegado Fábio Costa, da Deic, os responsáveis pelo parque prestaram total e irrestrito apoio à equipe de policiais civis, auxiliando na identificação e qualificação dos envolvidos, ressaltando que eles não compactuam com qualquer prática criminosa de funcionários ou prestadores de serviço terceirizados.

O TNH1 entrou em contato com a assessoria do shopping, que informou que não irá se pronunciar.

A polícia não divulgou a identidade do suspeito.