Nordeste

Governo do Ceará renova decreto de isolamento e promete medidas econômicas na segunda-feira

Diário do Nordeste | 29/03/20 - 11h05 - Atualizado em 29/03/20 - 11h08
Foto: Kid Junior

Ao confirmar a prorrogação do decreto de emergência por mais sete dias, nos quais a população seguirá em isolamento social e algumas empresas continuarão fechadas, o governador do Ceará, Camilo Santana, prometeu para início da próxima semana a novos benefícios aos cearenses mais vulneráveis e às empresas que amargam prejuízos.

Antes de tomar a decisão, o governador contou que esteve reunido com comitê dos três poderes (Justiça, Legislativo e a Prefeitura de Fortaleza), além de representantes das áreas econômica, social e de saúde do Estado. Só após ouvir a todos, resolveu prorrogar o decreto.

"Sei que é importante a preocupação do setor produtivo com a economia e com o emprego - tem sido uma grande preocupação nossa também-, mas neste momento, o que deve prevalecer é proteção dos cearenses", reforçou, mencionando reunião que teve na sexta-feira (27), com a Federação das Indústria do Estado do Ceará (Fiec), Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Ceará (Fecomércio-CE) e com a Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de Fortaleza.

Benefícios concedidos

O governador ainda ressaltou que "todas aquelas atividades que são essenciais à vida da população permanecem funcionando, desde a indústria até a comercialização", e ainda destacou os benefícios que já concedeu às empresas durante os dias de portas fechadas, como o a prorrogação de prazos e suspensão de procedimentos fiscais por 60 dias.

Mas voltou a afirmar que o foco do Governo são os mais pobres: "Estamos preocupados também com a economia. Estamos preocupados com o emprego e a sobrevivência das pessoas. É tanto que temos tomado decisões importantes, como a isenção do pagamento da conta de água e esgoto das famílias de água e esgoto no Ceará, da proibição de cortes nos próximos três meses também de energia".

Na esteira dos benefícios às empresas, ainda no sábado, a Federação dos Dirigentes Lojistas do Ceará (FCDL) lançou carta defendendo que o Governo atendesse pedidos já feitos no início do período de isolamento social e reforçando outras demandas.

O debate com o setor produtivo tomou mais força no meio da semana quando, organizados, indústria, comércio e serviços endossaram ofícios ao governador pedindo medidas, segundo eles, mais efetivas. Como resposta, Camilo concedeu os benefícios citados na transmissão e incluiu Fiec, Fecomércio-CE e CDL no comitê de crise para enfrentar a pandemia no Estado.

Decisão técnica

O aumento dos casos de Covid-19 em países como o Reino Unido, Itália e Espanha também foram citados pelo governador ao tomar a decisão de prorrogar o decreto de estado de emergência por mais uma semana. Ao justificar a medida, ele afirmou que o isolamento social, no momento, é a principal estratégia para conter a contaminação pelo novo coronavírus no Ceará.

"As decisões precisam ser do ponto de vista científico, técnico, de especialistas que entendem dessa realidade".

Perdas e diálogo

Por fim, o governador deu seus pêsames à família da quarta vítima do coronavírus no Estado e provocou o Governo Federal, ao afirmar que "enquanto não houver uma liderança nacional, os estados continuarão tomando decisões para proteger a vida da população".

Em resposta ao setor produtivo, Camilo assumiu que acontecerão perdas e se dispôs a ajudar: "Irei manter dialogo permanente com o setor produtivo cearense, para que a gente possa encontrar saídas e soluções para garantir o emprego, para evitar demissão e possamos estar todos unidos. Este é um momento em que todos teremos perda, mas é preciso solidariedade para proteger os mais pobres e proteger as pessoas que mais precisam".