Brasil

Marinha encontra mais um corpo nas buscas pela lancha 'O Maestro'

Metrópoles | 10/02/21 - 21h35
Divulgação / Marinha do Brasil

Em mais um dia de buscas pelos desaparecidos da lancha “O Maestro”, a Marinha do Brasil informou que encontrou mais um corpo no litoral do estado do Rio de Janeiro, na noite de terça-feira (9/2). O cadáver foi localizado por um barco pesqueiro, a aproximadamente 35 km a sudeste do Farol de Cabo Frio, Rio de Janeiro.

Quatro corpos já haviam sido encontrados na região e identificados como sendo de Domingos Sávio, Guilherme Ambrósio, Wilson Martins dos Santos e Ricardo José Kirst. Este quinto corpo encontrado pode ser de Cláudio de Souza. O IML ainda não confirmou a identificação.

A operação de buscas da Marinha contou com a participação de 240 militares, tripulantes de navios e de aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB). As ações também contaram com o apoio de todas as embarcações que navegaram nas áreas próximas e de empresas civis que operam regularmente helicópteros e navios na região.

De acordo com a Marinha, os navios e aeronaves militares empregados realizaram uma varredura em uma área de mais de 91.735 km².

A Marinha informou, ainda, que as causas e responsabilidades do acidente serão apuradas por intermédio de Inquérito Administrativo sobre Acidentes e Fatos da Navegação (IAFN).

O desaparecimento

Um grupo formado por cinco amigos – Ricardo Kirst, Domingos Sávio, Guilherme Ambrósio, Cláudio de Souza e Wilson Martins – começou a viagem no dia 26 de janeiro, partindo do Iate Clube Jardim Guanabara, na Ilha do Governador, zona norte do Rio de Janeiro. O destino seria Fortaleza, no Ceará.

No mesmo dia, a lancha “O Maestro” apresentou problemas técnicos e teve que parar, ainda no Rio, para fazer manutenção no Iate Clube, na Urca, zona sul carioca. Dois dias depois (dia 28), os amigos, então, seguiram viagem.

O último contato da tripulação foi na noite de sábado (30/1), às 23h23, nas proximidades do Farol de São Tomé, litoral do Rio de Janeiro. As buscas da Marinha se concentraram no litoral norte fluminense, local onde os amigos fizeram o pedido de socorro à Capitania dos Portos.