Nordeste

'Minha ficha demorou a cair', diz mulher que foi salva de tiros por objetos pessoais

Diário do Nordeste | 15/10/20 - 13h05
Arquivo Pessoal

Uma estudante universitária de 22 anos, sobrevivente a uma tentativa de assalto ocorrida no entorno da Avenida Paulino Rocha, em Fortaleza, contou ao Sistema Verdes Mares, nesta quarta-feira (14), os momentos de tensão enfrentados por ela e pelo tio na noite do último sábado (10). A vítima, que prefere não ter sua identidade revelada, diz ter demorado a perceber que o tiro disparado em sua direção não havia a atingido porque foi barrado por um carregador portátil e um caderno que estavam dentro da sua mochila.

"Um homem se jogou em frente da moto e mandou parar gritando que era assalto. Meu tio reduziu e os disparos começaram. Meu tio percebeu que foi baleado, mas continuou consciente e conseguimos nos equilibrar. Eu fiquei procurando o tiro que veio na minha direção, mas não senti nada, nenhum impacto", recordou a universitária.

Segundo a jovem, ela e o tio conseguiram fugir e chegar até um local mais movimentado, onde foram ajudados por populares e os criminosos fugiram: "Um senhor olhou para minha bolsa e disse que estava pegando fogo. Foi quando abrimos e vimos o carregador portátil destruído. Minha ficha demorou a cair".

A estudante considera o acontecimento como uma "bênção divina". "Eu acredito estar vivendo um novo ciclo. Ainda é difícil acreditar, porque aquele tiro podia ter acertado qualquer outro lugar", disse. O tio da universitária permanece hospitalizado, sem risco de morte. 

De acordo com a sobrevivente,  os objetos foram apreendidos pelos policiais que atenderam a ocorrência e seguem sob poder das autoridades. Não há informações sobre prisões dos suspeitos envolvidos na tentativa de assalto. O caso segue sendo investigado pela Polícia Civil do Ceará.