Esporte

Olimpíadas: Brasil vira e vence a Argentina no vôlei masculino por 3 a 2

Metrópoles | 26/07/21 - 13h20
Júlio César Guimarães/COB

Com muita emoção, a Seleção Brasileira masculina de vôlei bateu a Argentina no tie-break de virada. Os argentinos abriram 2 x 0, os brasileiros buscaram a recuperação e confirmaram a vitória por 16 x 14.

Os primeiros sets fecharam em 25 x 19 e 25 x 21 para os hermanos, o terceiro e quarto foram 25 x 16 e 25 x 21 para a Seleção, e contou com a boa atuação de Leal, Lucarelli e Fernando Cachopa, que entrou muito bem no lugar de Bruninho no 3º set, para somar mais três pontos nos Jogos de Tóquio-2020.

O jogo

Melhor que na estreia, o Brasil começou mais ligado e desde os primeiros pontos foi possível perceber que o duelo contra a Argentina seria muito equilibrado. Os hermanos, porém, depois do erro no primeiro saque do jogo, engataram uma sequência de bons saques e abriram 6 x 3. A Seleção se recuperou e chegou a diminuir a diferença para 6 x 5.

Com alguns erros no ataque e no saque, a Argentina viu o Brasil passar à frente no placar e abrir uma vantagem de dois pontos, 11 x 9, mas não por muito tempo. Sempre que uma equipe ensaiava ter uma distância maior na pontuação, a outra voltava a botar a bola no chão e este foi o enredo da maior parte do primeiro set.

Os argentinos foram muito bem nos 10 pontos finais e chegaram a ficar cinco pontos na frente do Brasil. Excepcionais na defesa e gigantes no ataque, com bolas fortes e encontrando espaço na quadra brasileira, eles fecharam o primeiro set em 25 x 19. A Seleção perde seu primeiro set na Olimpíada de Tóquio e sai atrás no clássico sul-americano.

Assim como ocorreu na primeiro parte, o começo do segundo set não teve superioridade de nenhum dos lados, porém com uma ligeira vantagem para a Argentina, ainda sem dó nem piedade nos ataques.

Renan Dal Zotto acionou Douglas pela primeira vez no jogo e ele entrou bem, assim como fez contra a Tunísia. Lucarelli cresceu diante dos bloqueios argentinos e cravou pontos importantes para o Brasil, mas ainda sem conseguir assumir a frente do marcador, ficando sempre a um ou dois pontos atrás.

A Argentina conseguiu manter uma diferença de quatro pontos no final da partida, aproveitando que a Seleção Brasileira tinha apenas alguns momentos bons no jogo, sem a atuação que se esperava dos atuais campeões olímpicos. Wallace desperdiçou o saque quando estava 23 x 20, dando o set-point aos hermanos, mas comemorou quando Facundo Conte exagerou e mandou a bola para fora.

A alegria e a esperança duraram pouco. Depois do saque brasileiro, Sole cravou e fechou o segundo set por 25 x 21 para os argentinos, 2 x 0. A Seleção passou toda a segunda parte atrás do placar.

3º e 4º set

Precisando vencer para tentar respirar, Renan mudou o time, tirou Bruninho e colocou Fernando Cachopa para levantar. O Brasil conseguiu colocar a bola na quadra adversária no início do terceiro set, venceu pontos importantes de bloqueio e chegou a abrir — e manter, que é o mais importante — até quatro pontos de vantagem.

Sem deixar a Argentina encostar no placar, a Seleção ganhou a confiança que precisava para crescer no jogo. O dono da camisa 9, Leal, que não estreou bem contra a Tunísia, foi crucial para a melhora brasileira nesta parte da partida. Muito melhor na defesa, no bloqueio e no ataque, além de contar com erros de saque dos argentinos, o Brasil fechou o terceiro set por 25 x 16, 2 x 1 no geral.

Para o quarto set, os argentinos voltaram confiantes, precisando de mais uma vitória para vencer o jogo e evitar o tie-break. O Brasil voltou cometer erros bestas e viu os adversários abrirem seis pontos no começo. Ciente do momento da Seleção, Renan fez alterações e voltou Bruninho e Lucarelli para a quadra.

Em grande rally de 32 segundos, Lucarelli foi muito bem na defesa e o Brasil conquistou ponto importante, diminuindo a diferença para quatro pontos, 15 x 11. Depois de ver os argentinos se distanciando novamente, os brasileiros encostaram no placar jogando toda a pressão para os adversários, chegando ao empate e virando com Lucão, 19 x 18.

A tomada da frente do placar deu muita confiança à Seleção Brasileira que conseguiu fechar o quarto set com emoção, 25 x 21. Recuperação gigantesca do Brasil, levando a decisão da partida para o tie-break.

Tie-break

A última parte foi disputada ponto a ponto, sem que nenhuma das seleções abrisse uma larga vantagem, no máximo dois pontos de diferença, mas sempre havia um novo empate. O match-point ficou na mão do Brasil, 14 x 13, mas os argentinos forçaram o bloqueio brasileiro, chegando à igualdade mais uma vez.

No erro argentino no saque, a Seleção teve o segundo match-point e venceu a partida depois de mais um erro do adversário, desta vez no ataque.