Meio Ambiente

PCGO identifica suspeitos de iniciar queimada na Chapada dos Veadeiros

Metrópoles | 24/09/21 - 14h39 - Atualizado em 24/09/21 - 14h44
Divulgação / CBMDF

A Polícia Civil de Goiás instaurou cinco inquéritos para investigar as causas dos incêndios que já se prolongam por 13 dias na Chapada dos Veadeiros, no nordeste do estado, nesta sexta-feira (24/9). Em três apurações, a investigação já identificou os suspeitos de terem iniciado focos de fogo. Eles deverão ser indiciados nos próximos dias.

Três inquéritos já possuem autoria e materialidade definidas. As suspeitas recaem sobre um fazendeiro que estaria desmatando sua propriedade e um jovem que teria ateado fogo em um lixão no distrito de São Jorge, município de Alto Paraíso de Goiás. Um terceiro suspeito estaria cortando um objeto na região e uma fagulha caiu no mato, iniciando o fogo.

Os dois primeiros casos, de acordo com a Polícia Civil, seriam dolosos. Já o terceiro seria culposo, também conforma a corporação. Os autores responderão por crimes ambientais e por incolumidade pública, por causa dos danos na região e colocar em risco a segurança das pessoas que vivem na região. Os nomes deles não foram divulgados.

Inquéritos - O principal inquérito é relativo ao fogo ocasionado em uma fazenda, onde foi realizada perícia. O fazendeiro estava desmatando o local e fez “leiras”, juntando restos de vegetais onde foi ateado o fogo, que saiu do controle. O fazendeiro será indiciado por crime contra a incolumidade pública e crime ambiental. Os policiais civis conseguiram flagrar nesta fazenda alguns focos de incêndio, com as chamas ainda vivas. O fogo se espalhou até uma mata nativa, queimando cerca de 10 mil hectares.

Outro foco de incêndio foi causado por um jovem que ateou fogo em um lixão do distrito de São Jorge. Testemunhas presenciaram a ação e foram ouvidas. O suspeito será indiciado por crime contra a incolumidade pública. Neste caso, o incêndio foi controlado. O terceiro caso foi de uma pessoa que estava cortando um material e uma fagulha deu início ao fogo, de forma culposa. Nos outros dois procedimentos, ficou demonstrado que o crime foi doloso. Todos os inquéritos contam com oitiva dos autores, de testemunhas e laudo de perícia indireta.

Nesta quinta-feira (23/9), equipes da Polícia Civil – entre elas da Delegacia de Crimes Contra o Meio Ambiente (Dema) – acompanharam a perícia criminal no local. As equipes foram à Fazenda Cascata, onde constataram que o foco de um incêndio saiu de lá. A informação foi confirmada por dados de satélite, cuja precisão da zona de calor é de 4 a 5 metros. O proprietário da fazenda foi interrogado e alegou que o fogo veio do Cerrado, caindo em contradição com o verificado na perícia.

Veja vídeo do combate ao fogo

Identificação - Ao menos nove focos de incêndio já foram identificados, segundo a investigação. As chamas destruíram mais de 23 mil hectares da Chapada dos Veadeiros, atingiram diversas espécies de animais e plantas do Cerrado e deixaram o céu na região tomado por fumaça, conforme mostrou o Metrópoles nos últimos dias. O fogo teve início no Vale da Lua no domingo da semana passada (12/9), em Alto Paraíso de Goiás, em um dos mais conhecidos atrativos turísticos da região. Cerca de 100 turistas que estavam no local ficaram isolados na área devido ao fogo e esperaram cerca de 1h30 para serem resgatados.

Novo foco - Um novo foco de incêndio foi registrado na área das Cachoeiras Almécegas, localizadas dentro da Fazenda São Bento, com entrada a 8 quilômetros de Alto Paraíso, rumo à Vila de São Jorge. Equipes atuam no local para combater as chamas. O fogo deixa rastros de terra arrasada na vegetação e entre animais na região do Cerrado goiano. Diversas espécies morreram queimadas ou devido a complicações da alta temperatura provocada pelas chamas e da fumaça que toma conta do local.

Frentes - No 13º dia de operações na região, seguem em ação várias equipes formadas por bombeiros de Goiás e do Distrito Federal, de brigadistas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) e do Instituto Chico Mendes da Biodiversidade (ICMBio), além de brigadistas voluntários.

O Corpo de Bombeiros de Goiás informou que, nesta sexta (24/9), são dois focos principais em andamento: um foco na região de Cavalcante, foco pequeno, com ação do Ibama e o outro com a Força Tarefa especializada do CBMGO no local na região do encontro das águas.

Foram registradas pancadas de chuva isoladas na noite passada na região deste último ponto. Isso ajudou a amenizar a quantidade de focos e a temperatura local, de acordo com os bombeiros. Ainda assim, a corporação segue no trabalho de monitoramento.

O Corpo de Bombeiros do DF segue atuando no apoio aos trabalhos na Chapada dos Veadeiros. Ao todo, são 20 militares da capital atuando na região. Além do combate às chamas, eles contam como equipamentos como drones para ajudar na localização de linhas de fogo ou de novos focos.