Saúde

Pessoas infectadas com a Delta têm carga viral 300 vezes maior

Metrópoles | 24/08/21 - 23h58
Reprodução

Um estudo divulgado pela Agência de Prevenção e Controle de Doenças da Coreia do Sul nesta terça-feira (24/8) informa que a carga viral das pessoas infectadas pela variante Delta, identificada pela primeira vez na Índia mas já disseminada pelo mundo, é 300 vezes maior do que os que contaminados pela versão original do coronavírus. Essa pico, entretanto, ocorreria apenas nos primeiros dias da infecção, pois com o passar do tempo a carga viral da Delta bem como das outras variantes vai diminuindo. Após os quatro primeiros dias, os infectados pela Delta teriam 30 vezes mais carga viral do que os infectados pelo Sars-Cov-2 original e, passados dez dias da infecção, a carga viral já seria semelhante.

Em entrevista à imprensa nesta terça, o ministro de Saúde do país, Lee Sang-won, afirmou que a carga viral maior faz com que o vírus se espalhe mais facilmente entre as pessoas. “Mas isso não significa que a Delta seja 300 vezes mais infecciosa. Estimamos que sua taxa de transmissão corresponda a 1,6 vez a taxa da variante Alfa (Reino Unido), e a cerca de duas vezes a versão original do vírus”, afirmou Lee.