Economia

Rendimento médio mensal do brasileiro chega ao menor valor desde 2012

Metrópoles | 19/11/21 - 13h48 - Atualizado em 19/11/21 - 13h51
Hugo Barreto / Metrópoles / Reprodução

A pandemia da Covid-19 provocou uma fratura na economia brasileira e levou a uma grave queda da renda no país. De acordo com dados divulgados nesta sexta-feira (19/11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o rendimento médio mensal do brasileiro teve queda recorde no ano passado e chegou ao menor valor desde 2012.

O levantamento aponta que o rendimento mensal médio real de todas as fontes no país caiu de R$ 2.292, em 2019, para R$ 2.213. O valor é o mais baixo desde 2013, quando o número era de R$ 2.250 (já descontada a inflação do período). A queda de 3,4% é a mais intensa da série histórica iniciada em 2012.

Por outro lado, o rendimento médio mensal real habitualmente recebido de todos os trabalhos aumentou 3,4%, de 2019 para 2020, chegando a R$ 2.447. A saída de 8,1 milhões de pessoas da população ocupada, no período, elevou essa média. Enquanto isso, o rendimento médio mensal real domiciliar per capita caiu 4,3% em 2020, chegando a R$ 1.349.

Já os chamados “outros rendimentos”, que englobam fontes provenientes de programas sociais, aplicações financeiras, seguro-desemprego, seguro-defeso etc., em razão do auxílio emergencial, registraram salto recorde. O programa foi criado pelo governo para subsidiar famílias economicamente vulneráveis devido à crise sanitária.

A pesquisa mostra que, de 2019 a 2020, a proporção de domicílios com beneficiários de programas sociais saltou de 0,7% para 23,7%. As taxas aumentaram em todas as regiões, sobretudo no Norte (0,5% para 32,2%) e Nordeste (0,8% para 34%). Além disso, houve redução na proporção de domicílios que recebiam o Bolsa Família (de 14,3% para 7,2%), pois parte deles passou a ser contemplado pelo auxílio emergencial.