Brasil

Rio planeja 40 dias de Carnaval de rua a partir de janeiro

Cleomar Almeida/Metrópoles | 21/08/21 - 23h35
Prefeitura publicou edital para convocação de interessados em realizar folia de rua, que deve seguir até início de março | Hudson Pontes/Riotur

A Riotur, empresa de turismo da Prefeitura do Rio de Janeiro, publicou neste final de semana, em seu site, a convocação de parceiros privados interessados na realização do Carnaval de rua de 2022. A previsão é de que ocorram até 500 desfiles de blocos oficiais em 40 dias, de 27 de janeiro a 6 de março, segundo as regras do evento.

Apesar da previsão de uma festa grandiosa, o caderno de encargos, que define as regras, prevê que a realização do evento “será condicionada às determinações estabelecidas pelos órgãos competentes no combate à Covid-19, inclusive com a possibilidade de alteração da data de início”. A intenção da prefeitura é fazer o Carnaval de rua com uma empresa que fique responsável pela produção e implementação do suporte aos blocos, com custo bancado por patrocinadores.

O anúncio ocorreu no mesmo dia em que o prefeito Eduardo Paes (PSD) afirmou que a capital registrou o maior número semanal de casos de Covid-19 em meio ao avanço da variante Delta. Paes já havia recebido críticas de especialistas na área de saúde ao anunciar, no fim do mês passado, um plano de reabertura da cidade, incluindo a realização de uma série de atrações já no início de setembro. Por causa da repercussão negativa, o prefeito recuou e admitiu falha na comunicação do plano.

Infraestrutura

Há previsão de instalação de 34 mil banheiros químicos nas áreas de desfiles e em seus entornos. Os interessados terão um mês para apresentarem suas propostas. Também está prevista a instalação de oito postos médicos no centro, zona sul, Barra da Tijuca e Recreio dos Bandeirantes.
Os locais exatos dos desfiles serão definidos mais à frente pela Riotur. Será criado um site para a divulgação dos desfiles dos blocos.

A prefeitura estabeleceu o cadastramento de 10 mil vendedores ambulantes que circularão nos blocos com coletes numerados e credencial. A ideia é que haja venda de bebidas e outros produtos de possíveis patrocinadores.

Além do Carnaval de rua, a Riotur já havia lançado esta semana a convocação para patrocinadores do desfile de escolas de samba da Estrada Intendente Magalhães. Entre 26 de fevereiro e 5 de março, está prevista a apresentação de 60 agremiações de divisões de acesso. Neste caso, a ideia é conseguir arrecadar R$ 3,5 milhões.

Réveillon

Outra festa que já está na programação da Prefeitura do Rio é o Réveillon. Na virada de 2021 para 2022, a Riotur projeta uma festa para 3 milhões de pessoas em dez bairros. Só no evento principal, em Copacabana, a expectativa é de um público de 2 milhões de cariocas e turistas.

Tudo, no entanto, pode ser cancelado, caso os números de casos de Covid continuem a subir. Paes não ampliou as medidas de restrição na capital fluminense. Ele jogou essa possibilidade mais para frente, caso haja um reflexo maior em casos graves e óbitos.

Atualmente, apenas boates e festas com vendas de ingresso estão proibidas. O restante dos estabelecimentos pode funcionar observando algumas regras, como distanciamento e uso de máscaras. A prefeitura informou que, em 2020, o Carnaval de rua envolveu 7 milhões de pessoas no Rio ao longo de 50 dias.