Economia

Sem auxílio, 885 mil brasileiros esperam há 2 meses resposta do Governo

Metrópoles | 04/06/21 - 07h50
EBC

Cerca de 885 mil brasileiros aguardam há dois meses o resultado da contestação do auxílio emergencial 2021.

São famílias de baixa renda que receberam o benefício emergencial no ano passado, mas foram excluídas do programa neste ano e estão há pelo menos seis meses sem auxílio do governo federal.

O Ministério da Cidadania divulgou a lista de beneficiários do auxílio emergencial 2021 no dia 2 de abril.

Apesar de o governo ter anunciado que 45,6 milhões de pessoas receberiam a nova rodada de pagamento, apenas 39,1 milhões de brasileiros foram aprovados. A administração federal superestimou o número de beneficiários em 6,5 milhões de famílias, como mostrou o Metrópoles.

Na ocasião, o Ministério da Cidadania abriu o prazo de contestação, e 1,041 milhão de pessoas pediram que a resposta negativa dada pelo governo fosse reavaliada, uma vez que não concordaram com a decisão.

Desses requerimentos, apenas 155,9 mil foram processados, segundo dados do governo enviados ao Metrópoles.

“Já as contestações dos demais lotes estão em processamento e o resultado será divulgado em breve”, esclareceu a pasta. “Cabe informar que os beneficiários do PBF [Programa Bolsa Família] considerados elegíveis recebem retroativamente, na folha de pagamento de maio, o valor da parcela de abril”, prosseguiu, em nota.

O ministério também destacou, no comunicado, que o sistema de contestação registra apenas as solicitações em que os critérios de inelegibilidade são passíveis de revisão.

Por fim, reforçou que tem adotado “as medidas necessárias para alcançar, com o auxílio emergencial 2021, o maior número de famílias em situação de vulnerabilidade”, respeitando o limite orçamentário.

Mais da metade

No ano passado, a Dataprev recebeu cerca de 2,5 milhões de contestações do auxílio emergencial. Desses, 1,4 milhão foram considerados elegíveis por terem atendido aos critérios legais após novo processamento.

Ao renovar o programa neste ano, após pressão da sociedade e de parlamentares, o governo federal estabeleceu que o auxílio emergencial 2021 seria devido apenas a quem já o recebia em dezembro do ano passado. Na ocasião, os recursos eram destinados a 56,7 milhões de pessoas.

O corte, portanto, foi de 17,6 milhões de beneficiários.

Na prática, esses dados mostram que apenas 5,7% dos brasileiros que tiveram o auxílio emergencial cortado neste ano contestaram a negativa dada pelo governo federal.

O período para reclamar o resultado já se esgotou para essas pessoas. Os pedidos de contestação do resultado de elegibilidade ao auxílio podem ser realizados pelos cidadãos em até 10 dias corridos a contar da data de divulgação do lote de benefícios analisados.

Dessa maneira, o público que recebeu em 2 de abril a resposta se vai ou não ganhar as novas parcelas do benefício tinha apenas até 12 de abril para contestar a negativa.