Brasil

Senador Chico Rodrigues pede licença do mandato e filho, suplente, assume vaga

Metrópoles | 20/10/20 - 14h03
EDILSON RODRIGUES/AGÊNCIA SENADO

Após apresentar pedido de licença do mandato por 90 dias, o senador Chico Rodrigues (DEM-RR), flagrado escondendo dinheiro nas nádegas, retificou a solicitação nesta terça-feira (20/10) para 121 dias. Dessa forma, o primeiro-suplente Pedro Arthur Rodrigues (DEM-RR), filho do senador, poderá assumir o cargo.

A licença foi uma solução costurada com diversos aliados com o intuito de evitar a cassação. Mais cedo, a assessoria do parlamentar havia confirmado o afastamento por 90 dias e disse era “irrevogável, irretratável e sem recebimento de salário no período”.

A retificação do período teria sido acertada na reunião de líderes. A avaliação do grupo é que menos de quatro meses ainda traria desgastes para o Senado.

Rodrigues solicitou nessa segunda-feira (19/10) o “desligamento imediato” do Conselho de Ética do Senado, que deverá julgá-lo por quebra de decoro parlamentar.

Na última semana, o parlamentar já havia deixado a comissão externa do Congresso Nacional que fiscaliza os gastos no combate à Covid-19 e a vice-liderança do governo na Casa.

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou o afastamento de Rodrigues por 90 dias. A decisão será apreciada nesta quarta-feira (21/10) pelo plenário da Corte.

Rodrigues foi alvo da Operação Desvid-19, que investiga um esquema de desvio de recursos por meio de emendas parlamentares e fraude em licitação ligada à Secretaria de Saúde de Roraima, no âmbito do combate à Covid-19.

Durante o cumprimento de mandado de busca e apreensão, os agentes da Polícia Federal (PF) encontraram cerca de R$ 30 mil escondidos nas nádegas de Chico Rodrigues.

Para a PF, Rodrigues faz parte do núcleo político da organização criminosa, que conta com a participação de uma empresa, além de funcionários e do então secretário de Saúde do estado.

No documento, os agentes da Polícia Federal descrevem que, além da quantia de dinheiro, “foram encontradas uma arma de fogo e munição de calibres diversos, sem registro, no armário do senador”.

Em resposta, a defesa do parlamentar informou que “o dinheiro tem origem particular comprovada e se destinava ao pagamento dos funcionários de empresa da família do senador”.