Polícia

Suspeito de matar pai do alagoano Rico Melquiades, de A Fazenda, é preso em Pernambuco

TNH1 com PC-AL | 27/10/21 - 08h01 - Atualizado em 27/10/21 - 11h35
Reprodução

A Polícia Civil de Alagoas cumpriu, na tarde dessa terça-feira (26), mandado de busca e apreensão do suspeito de assassinar o policial militar reformado Manuel Araújo Santiago, de 54 anos, pai do influencer alagoano Rico Melquiades.

Com a divulgação da morte do pai pelo Rico Melquiades, que está participando do programa A Fazenda 13, da Record TV, a DHPP recebeu denúncias sobre o paradeiro do autor. A Polícia Civil de Alagoas fez um trabalho investigativo e localizou o suspeito do crime em Garanhuns, no interior do estado de Pernambuco. No próximo mês de novembro, o jovem fará 20 anos.

Rico tornou pública a informação sobre a morte do pai durante o reality show há cerca de duas semanas. O peão chamou a atenção da web a compartilhar um pouco de seu passado em Maceió, relação com o seu falecido pai, que foi assassinado e era um alcóolatra, e a força de sua mãe. “Mataram meu pai há quatro anos em Maceió”, contou, de acordo com a coluna do Leo Dias, no site Metrópoles, na época. O influencer não quis entrar em detalhes sobre a morte do pai, mas reforçou, diversas vezes, o quanto o pai fez mal a ele. Em seu Instagram, antes de entrar no confinamento, Melquiades já comentava sobre essas situações com os seus seguidores.

O crime aconteceu em julho de 2017, no bairro da Chã da Jaqueira, parte alta de Maceió. De acordo com o coordenador da DHPP, delegado Ronilson Medeiros, o jovem não aceitava o relacionamento da mãe com o militar, pois achava que estaria entregando os traficantes da região da Chã da Jaqueira para a polícia. “Por esse motivo, armou uma embosca com outros traficantes”, disse.

A operação contou com as equipes coordenadas pelos delegados Bruno Emílio e Fábio Costa, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). A vítima foi morta pelo próprio enteado, no dia 16 de julho de 2017, no bairro da Chã da Jaqueira, na capital alagoana.

Assista também reportagem do Balanço Geral Alagoas: