Mundo

Suspeito de participar do assassinato do presidente do Haiti é preso

Metrópoles | 16/11/21 - 22h13
Moisé Jovenel / Reprodução

As autoridades turcas prenderam um homem considerado suspeito de “grande interesse” no assassinato do presidente haitiano Jovenel Moïse, em julho deste ano. A informação foi revelada pelo ministro das Relações Exteriores do país, Claude Joseph, em suas redes sociais. As autoridades turcas prenderam um homem considerado suspeito de “grande interesse” no assassinato do presidente haitiano Jovenel Moïse, em julho deste ano. A informação foi revelada pelo ministro das Relações Exteriores do país, Claude Joseph, em suas redes sociais.

As autoridades turcas prenderam um homem considerado suspeito de “grande interesse” no assassinato do presidente haitiano Jovenel Moïse, em julho deste ano. A informação foi revelada pelo ministro das Relações Exteriores do país, Claude Joseph, em suas redes sociais. Pelo Twitter, Claude Joseph relatou que conversou com o ministro turco Mevlüt Çavuşoğlu para “agradecer à Turquia pela prisão de Samir Handal, uma das pessoas de grande interesse na investigação do assassinato do presidente Jovenel Moïse”.

Handal era procurado pela Interpol. Depois de ser preso, ele foi interrogado por um tribunal, que emitiu uma ordem de custódia temporária de 40 dias a pedido do Ministério de Justiça da Turquia. Ele está detido na prisão de Maltepe, em Istambul.

O crime - Jovenel Moïse e a primeira-dama, Martine Moïse, de 47 anos, estavam em casa, uma residência particular em Porto Príncipe, quando o local foi invadido por um grupo armado. Nos últimos anos, a capital haitiana, Porto Príncipe, vinha sofrendo um aumento na violência, enquanto gangues lutavam entre si e contra a polícia, pelo controle das ruas. Nesse cenário, o país também lida com o empobrecimento. A oposição, por sua vez, criticava Moïse, que governava o Haiti sem o aval do Legislativo, desde o ano passado. Já o presidente afirmava que ficaria no cargo até o dia 7 de fevereiro de 2022.