Nordeste

Veículos invadem faixa de areia no Cumbuco e Porto das Dunas, no Ceará

Diário do Nordeste | 14/09/20 - 09h06
Camila Lima/Diário do Nordeste

O aumento do fluxo de visitantes na orla cearense tem atraído, além de aglomerações, outra prática proibida por Lei. Durante o último fim de semana, equipes do Sistema Verdes Mares flagraram veículos circulando ou estacionados de forma irregular em faixas de areia no Cumbuco, em Caucaia, e no Porto das Dunas, em Aquiraz. A prática pode levar à multa de R$ 130,16, além de quatro pontos na CNH.

O Ceará tem 275 pontos de praia nos quais é proibida a circulação de veículos, segundo o Detran. Destes, 140 são no litoral Leste, e 135 no Oeste.

Na tarde do último sábado (12), a reportagem flagrou a circulação de buggys clandestinos em meio aos banhistas na praia do Cumbuco. Durante cerca de 2h, pelo menos oito veículos de passeio com tração não credenciados foram flagrados levando grupos de pessoas. 

No Porto das Dunas, cenas de desrespeito também foram identificadas, ontem (13).Um médico que estacionou o carro particular na faixa de areia, apesar da sinalização de proibição, alegou respeitar a área dos pedestres. O comportamento, entretanto, é passível de multa. "Não é permitido estacionamento em área alguma de areia. Na faixa de praia que chamamos de área molhada também não pode circular", aponta o diretor do Demutran de Aquiraz, Gleison Pinheiro.

Ele enfatiza que a proibição é para todo tipo de veículo.

Clandestinos

Segundo o presidente da Associação de Buggy e Turismo do Ceará, Auri Santos, 133 bugueiros possuem autorização para realizar serviços turísticos em Caucaia. "Nossos buggys são amarelos e da placa vermelha com nome de Caucaia", detalha. Segundo ele, apesar da semelhança com os legalizados, os veículos clandestinos não possuem informações obrigatórias.

"Os nossos são numerados de 1 a 133, têm o alvará de funcionamento e o adesivo da Prefeitura", explica.

Para ele, a irregularidade evidencia um dilema denunciado pelos bugueiros oficiais há anos: a falta de fiscalização. "Prejudica muito por causa dos valores. Os nossos passeios custam R$ 300 o longo, para conhecer todo o litoral, e o passeio tradicional, R$ 200. Geralmente, eles (clandestinos) derrubam para R$ 150".

Entre os banhistas, a sensação é de insegurança, uma vez que os buggys trafegam a poucos metros. A psicóloga Renata Sampaio, que costuma ir com a família ao Cumbuco lamenta. "Assim que nós chegamos, vimos logo um passando aqui bem pertinho. Minha filha até queria sentar mais para trás, distante da água, mas a gente ficou com medo de eles passarem e acontecer algum acidente".

Em Aquiraz, são 88 bugueiros cadastrados, com certificado de liberação fixado no para-brisas, que permite a checagem antes do passeio. "A fiscalização é feita diariamente onde os mesmos (os buggys) têm uma trilha a ser seguida", explica Pinheiro. Aos finais de semana há uma fiscalização feita da APA do Rio Pacoti até a Praia do Presídio, com o apoio de uma viatura do Detran e outra na área do Iguape, Barro Preto e Batoque.

Nos casos de irregularidades, o proprietário do veículo é notificado e o transporte removido para o depósito de departamento. A Prefeitura de Caucaia destacou, em nota, que realiza fiscalizações "nas praias do litoral do município com o objetivo de autuar bugueiros que trabalham de forma irregular". "Pode ser multado em até R$ 1.800 e ter o carro apreendido, dependendo da gravidade da atividade irregular", destaca.

As denúncias, tanto no caso de Caucaia como de Aquiraz, podem ser realizadas pelas ouvidorias, nos sites das duas Prefeituras.

Em nota, o Detran explicou que a fiscalização de circulação nas praias é de competência do município, visto que Caucaia e Aquiraz "possuem trânsito municipalizado". O Departamento também auxilia os municípios, aos sábados e domingos, e faz a sinalização dos trechos onde é proibido o trânsito de veículos.