Política

Vídeo mostra Moro sendo cobrado por manifestante sobre caso Queiroz; assista

Folhapress | 09/01/19 - 09h55 - Atualizado em 09/01/19 - 09h56
Moro foi questionado por manifestante em supermercado | Arte sobre foto / Folhapress

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra o ministro da Justiça, Sergio Moro, sendo alvo de questionamentos em um supermercado de Brasília sobre Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) citado em relatório do Coaf que indicou movimentações atípicas na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).

"Por que o Queiroz não é pauta? A roubalheira do PT é pauta, mas a do PSL, do Queiroz não é pauta do governo? Ele [Moro] não pode falar sobre isso? Aí você quer me censurar por isso também?", questiona o autor do vídeo, que tem uma bandeira do Brasil sobre os ombros.

O ex-juiz aparece ao fundo do vídeo, em um dos caixas do supermercado. Mais próximo da gravação está Marcos Koren, segurança do ministro, com quem o autor do vídeo discute.
Koren diz não conhecer Moro e tenta acalmar o manifestante. "Estou gravando porque tenho um celular, estou em um ambiente público", rebateu o autor. "Você está sendo desagradável e mal-educado com todo mundo aqui", disse Moro.

No vídeo também é possível ouvir uma voz feminina que pede para Moro "salvar Fortaleza e o Ceará" - o estado vive uma onda de violência que motivou o envio da Força Nacional de Segurança, determinado pelo próprio Moro; assista:

A assessoria de Moro confirma o episódio, mas afirma que o ex-juiz não se lembra ao certo quando ocorreu. Nesta terça (8), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) determinou que a Polícia Federal reforce a segurança pessoal de Moro.

"Diante de informações sobre situações de risco decorrentes do exercício do cargo de titular do Ministério da Justiça e Segurança Pública, determino à Polícia Federal providências no sentido de garantir, diretamente ou por meio de articulação com os órgãos de segurança pública dos entes federativos, a segurança pessoal do Ministro de Estado da Justiça e Segurança Pública e de seus familiares", diz o texto, publicado no Diário Oficial da União.

Moro não foi o único integrante do primeiro escalão do governo Bolsonaro alvo de ofensas em local público. No último dia 4, a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, disse por meio de nota que foi constrangida por vendedor em loja de Brasília. Ela teria sido questionada se é menino ou menina por estar com uma roupa azul.