Família procura pecuarista desaparecido em Murici

22/08/2017 - 12:32 - Atualizado em 22/08/2017 - 15:36
Cristovão Rodrigues estava numa caminhonete Ford Ranger, de cor preta, e placas QLB-1274, quando foi visto pela última vez, no dia 3 deste mês. (Crédito: acervo pessoal)

Familiares e amigos de Cristovão Rodrigues, de 61 anos, divulgaram nas redes sociais e à imprensa, nesta terça-feira, 22, uma apelo em busca de informações do pecuarista, desaparecido desde o último dia 03 de agosto. 

A assessoria de comunicação da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AL) afirmou que a Polícia Civil não se pronunciará sobre o caso para não atrapalhar as investigações.

O pecuarista estaria numa caminhonete Ford Ranger, de cor preta, e placas QLB-1274, quando foi visto pela última vez por um funcionário da fazenda. Ele teria saído de sua propriedade, na Zona Rural de Murici, para voltar para casa, em Maceió.

De acordo com o filho dele, Cristiano Rodrigues, em entrevista ao TNH1, os familiares só deram falta de Cristovão quatro dias após o desaparecimento. “Ele costumava passar a semana na propriedade, que fica na zona rural, sem contato telefônico, e voltava no final de semana. Quando conseguimos falar com o funcionário da fazenda achamos estranho ele não ter chegado em casa”, afirmou.

Cristovão Rodrigues estava numa caminhonete Ford Ranger, de cor preta, e placas QLB-1274, quando foi visto pela última vez, no dia 3 deste mês. (Foto: Acervo Pessoal)

Cristiano disse ainda que a família acionou a Polícia Civil, onde um Boletim de Ocorrência foi realizado, mas que até o momento não tem pistas do desaparecimento. “Nós respeitamos até o momento, a pedido dos próprios delegados, mas não conseguimos mais esperar por notícias. A polícia diz ter linhas de investigação, mas nós não sabemos se foi sequestro, vingança, rixa com vizinhos, se foi a violência da região, porque a cidade de Murici está passando um momento de grande violência, por isso procuramos a imprensa”, afirmou.

O filho Cristóvão afirma que uma das linhas das linhas de investigação seria vingança, mas ele ressalta as boas relações do pai. “Ele é uma pessoa bem quista na região. Atua lá a 17 anos e é querido por todo mundo. Além disso, ele é bastante conhecido na região, conhece desde o governador aos sem-terra”, afirmou.

Caso tenha uma informação que leve ao paradeiro de Cristovão, você pode ajudar a polícia ligando para o Disque Denúncia, no número 181. A ligação não precisa ser identificada.