Maceió

Adolescente de Maceió é assediada, grava vídeo, e denuncia nas redes sociais; assista

TNH1 | 07/01/21 - 17h46 - Atualizado em 07/01/21 - 18h46

Uma adolescente de 15 anos gravou e postou nas redes sociais um vídeo mostrando o exato momento em que foi vítima de assédio sexual. O fato ocorreu na manhã desta quinta-feira (7), em uma clínica, no bairro Mangabeiras, na parte baixa de Maceió.

Em entrevista ao TNH1, a adolescente relatou que estava no estabelecimento acompanhando sua mãe que estava realizando exames médicos. A vítima ficou sozinha na recepção da clínica por alguns momentos, quando o suspeito passou a tentar olhar por baixo do vestido da menor.

"Eu estava acompanhada com a minha mãe, porém no momento do assédio ela estava fazendo exames e eu fiquei na recepção sozinha. Foi quando ele ficou tentando olhar por baixo do meu vestido. Depois ele veio até mim para puxar assunto e pegar meu telefone", relatou a jovem.

No momento em que o homem se aproximou para puxar conversa, a adolescente acionou a câmera e manteve o aparelho gravando a conversa. No vídeo, é possível ouvir as insinuações do assediador. Em um momento, ele afirma ser 30 anos mais velho. A adolescente alerta que aquilo é pedofilia, mas ele rebate e diz que, caso ela permitisse, não seria. Veja o relato em vídeo abaixo.

Os responsáveis pela adolescente ainda não oficializaram denúncia, o que deve ser feito - segundo a adolescente - em breve.

"Estou tomando as providências para prestar queixa. Irei com minha irmã à delegacia", disse a adolescente. 

O caso de assédio viralizou na internet e diversas pessoas declararam mensagens em favor da adolescente. Também por meio das redes sociais, a adolescente agradeceu o apoio e pediu justiça contra o assesdiador.

"Obrigado a todo mundo que está me mandando mensagens de apoio, porque eu eu ficava imaginando se caso acontecesse comigo eu faria alguma coisa, mas na hora eu não consegui fazer nada, me senti paralisada porque ele ficou tentando olhar por dentro do meu vestido. Me senti como se eu fosse um pedaço de carne e ele poderia fazer o que ele quiser, e eu sei que não é minha culpa, foi horrível", concluiu.

A Associação Para Mulheres (AME) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) acompanham o caso. "A adolescente nos contou também que não foi a única vítima. Nós estaremos indo com ela à Central de Flagrantes para relatar o caso e para que a polícia possa tomar as medidas cabíveis", disse  Larissa Melo, diretora Jurídica da AME.

Veja o vídeo: