Maceió

Após casos suspeitos de Covid, quatro escolas suspendem aulas presenciais em Maceió

TNH1 com TV Pajuçara | 06/02/21 - 13h54 - Atualizado em 06/02/21 - 14h39
Tarcísio Augusto/DP

Alunos do ensino fundamental e médio de escolas particulares do Estado retomaram as aulas presenciais na última segunda-feira, 1º. Porém, nesta semana, ao menos quatro unidades de ensino já registraram casos de estudantes com suspeita de Covid-19. Para evitar a contaminação, as escolas decidiram pela volta da educação remota para essas turmas, por um prazo de 14 dias. 

A situação tem preocupado os pais dos alunos, como também o Sindicato dos Professores (Sinpro), que já comunicou o caso ao Ministério Público do Trabalho (MPT), e pede fiscalização.

Em entrevista ao programa Cidade Alerta Alagoas, da TV Pajuçara, o presidente do Sinpro, Eduardo Vasconcelos, pede o cumprimento das medidas sanitárias de segurança para que novos casos não apareçam.

"O grande problema agora é a questão de testagem e apertar a fiscalização. Muitas escolas estão fazendo perfeitamente, e podem ser prejudicadas por uma minoria que infelizmente não querem cumprir, inclusive muitos pais, que não cumprem o protocolo", disse.

A volta das aulas foi autorizada por um decreto do Governo do Estado no fim de dezembro, mas para as unidades funcionarem, elas devem seguir uma série de protocolos de segurança.

"Pode não ser, mas isso pode se propagar, é mais agravante ainda. Ao invés do controle, vem o descontrole, possivelmente, e é isso que a gente não quer [...] É lembrar que no mês que vem teremos a abertura das escolas públicas, e temos hoje um ensaio do que pode vir lá na frente", continuou Vasconcelos.

Os casos de alunos com Covid-19 nessas escolas ainda estão sob investigação. Mesmo sem ter a confirmação, as unidades decidiram pela suspensão das aulas presenciais para essas turmas por 14 dias. Em nota, alguns estabelecimentos informaram que os alunos não terão prejuízos pedagógicos, já que os estudantes podem acompanhar as aulas de maneira remota.

Veja a reportagem completa: