Polícia

Assalto na farmácia: inspetor da Guarda Municipal e policiais do Bope detalham como foi a negociação

Paulo Victor Malta | 19/10/21 - 12h24 - Atualizado em 19/10/21 - 12h28

A rápida ação de um inspetor da Guarda Municipal do município de São Miguel dos Campos e de policiais militares do Batalhão de Operações Especiais (Bope) foi fundamental para frustrar a tentativa de assalto e libertar cerca de 10 reféns em uma farmácia na manhã desta terça-feira, 19, na Avenida Fernandes Lima, no Farol, em Maceió. 

Quem identificou o crime em andamento foi o inspetor Robson Correia, que parou no estabelecimento para comprar remédios para a esposa. Ele percebeu que o local estava com movimentação estranha e conseguiu abordar o criminoso. 

"Adentrei na loja para comprar um remédio para minha esposa, que está operada, e percebi que não tinha ninguém no entorno da loja, que é muito movimentada. Percebi que tinha algo de errado. E o procedimento diz que neste tipo de situação você tem que se abrigar e ver algum tipo de ameaça. Quando cheguei no canto para ver a porta, vi que ele vinha com a vendedora e com uma arma na mão, falando que era um assalto. Só que ele não sabia que eu era policial. Como eu estava abrigado, apontei a arma e falei: 'Você perdeu, você perdeu. Calma, que não vai te acontecer nada'. Ele também apontou a arma para mim. Eu não podia efetuar disparo porque a prioridade é a vida do refém. Eu saí da loja, sabia que tinha uma ameaça secundária aqui fora, geralmente eles vêm com dois ou até mais. Consegui sair com minha esposa e me abrigar, avisei que era um assalto e, por sorte, o pessoal do Bope ia passando e assumiu a ocorrência", detalhou o inspetor Robson à Rádio Pajuçara FM

Um dos militares que estava na operação afirmou que as equipes do Bope estavam indo abastecer as viaturas quando se depararam com a tentativa de assalto. "A situação foi controlada. Estávamos nos deslocando para abastecer as viaturas de manhã cedo, quando nos deparamos com o assalto em andamento. Já tinha um inspetor da Guarda Municipal fazendo o primeiro contato com o assaltante, ele percebeu o assalto, ia fazer compras para a esposa e nos acionou. Conseguimos dar o apoio e efetuamos a abordagem ao suspeito. Graças a Deus ele se entregou, largou a arma, os reféns saíram todos intactos, todo mundo bem. Mais uma missão bem sucedida pelo Bope com o apoio do inspetor", disse o soldado Barros. 

Segundo o militar, há a suspeita que um segundo criminoso tenha fugido ao perceber que o assalto tenha aumentado de proporções ao envolver reféns. "Um está preso na viatura. O outro (suspeito), pegamos as características e o pessoal está em busca", confirmou o soldado em entrevista à rádio, minutos após o assaltante ter se entregado. 

Negociação e liberação dos reféns - "É uma situação bem complicada, principalmente com reféns, e o assaltante estava em posse de uma arma de fogo. Sabemos que pode acontecer qualquer coisa, mas graças a Deus, com o treinamento que nos é passado, conseguimos agir com êxito e saiu todo mundo ileso, que é o mais importante, a preservação da vida... [o assaltante ao ser preso] Aquela velha história, veio dizer que estava precisando,com a família passando fome, mas sabemos que isso não justifica de forma alguma. Se todos que passassem por necessidade fossem fazer isso, nosso mundo seria um verdadeiro caos, mais do que já é", afirmou Barros. 

De acordo com o policial militar, o assaltante prendeu todo mundo dentro do banheiro, levou os reféns para a sala da gerência e mandou todos deitarem no chão. "Foi quando conseguimos fazer contato com ele para se entregar, ele seguiu as recomendações, largou a arma, nós a recolhemos e fizemos a prisão. Não tinham crianças. Os reféns saíram bem nervosos e agitados, choraram bastante após a prisão, mas graças a Deus todos com saúde e em vida".