Saúde

Associação de Medicina prevê escassez de testes para Covid e recomenda limitar exames

Letícia Pascoalino | 12/01/22 - 15h35 - Atualizado em 12/01/22 - 17h39
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Nesta quarta-feira (12), a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) alertou, em nota técnica, sobre a possibilidade de desabastecimento de insumos para testes de Covid-19 no país.

Segundo a associação, a alta transmissibilidade da variante Ômicron causou aumento exponencial de casos, o que vem demandando maior capacidade produtiva global de testes, tanto de PCR como de antígeno.

Com isso, se os estoques não forem recompostos rapidamente e poderá ocorrer a falta de oferta de exames. “Não é possível mensurar neste momento até quando poderemos atender, pois os estoques são variados dependendo do laboratório e da região, mas há um risco real de desabastecimento”, diz a nota.

Nesse sentido, a entidade recomenda a priorização de pacientes para efetuarem os testes, segundo escala de gravidade: Pacientes que tenham maior gravidade de sintomas, pacientes hospitalizados e cirúrgicos, pessoas no  grupo de risco, gestantes, trabalhadores assistenciais da área da saúde e colaboradores de serviços essenciais.

A ideia é que pessoas com sintomas leves permaneçam em isolamento até que o cenário seja normalizado e deixem a possibilidade de teste para pacientes mais críticos.

“O ideal seria seguirmos testando todo mundo que se expôs de alguma forma, porém, com o cenário que vislumbramos a curto prazo, recomendamos fortemente que sejam submetidos a testes apenas os pacientes prioritários”, pontua o presidente do Conselho de Administração da Abramed, Wilson Shcolnik.

Ainda de acordo com o docuemnto, outras entidades do setor de saúde como como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a  Agência Nacional de Saúde Suplementar  (ANS) também serão contatadas para que haja a sensibilização sobre a importância de otimizar o uso dos testes disponíveis até que a situação seja normalizada.