Polícia

Associação diz que homem espancou mulher e foi armado atrás dela no hospital 

Redação TNH1 | 31/08/20 - 17h09 - Atualizado em 31/08/20 - 17h19
Reprodução

A associação AME, criada com o objetivo de acolher mulheres vítimas de violência, está acompanhando o caso de Eduarda Alves da Silva, de 33 anos, que morreu após levar um soco do companheiro em Colônia Leopoldina, região Norte de Alagoas. Ao TNH1, a advogada Júlia Nunes, presidente da entidade, afirmou que assumiu a defesa da família e alegou que a vítima foi espancada pelo homem. 

Segundo a advogada, a vítima queria terminar o relacionamento e teve a vida ceifada brutalmente na madrugada do sábado para o domingo. A defesa diz ainda que, segundo a família, o homem gritava todo tempo que iria matar a vítima e foi para a porta do hospital munido de arma branca para garantir o feminicídio. Ainda de acordo com a defesa, as cenas de agressão teriam acontecido na frente de uma adolescente de 13 anos, uma dos três filhos da vítima.

A Associação AME deve divulgar nota de repúdio ao crime e em apoio à família.

O TNH1 apurou que o suspeito está preso em Novo Lino e que a delegacia de Colônia Leopoldina vai ouvir as testemunhas a partir desta terça-feira (1º). 

Entenda o caso

Uma briga de casal acabou em morte na cidade de Colônia Leopoldina, Região Norte do Estado, no último final de semana.

Após uma discussão, o homem identificado como Ricardo Felipe da Silva deu um soco na região da testa da esposa, Eduarda Alves da Silva, de 33 anos. Ela chegou a ser levada ao hospital da cidade mas acabou falecendo. 

De acordo com a polícia, o marido mora em Maceió, e sempre passava os finais de semana em Colônia, cidade a 123 km da capital, e na noite deste sábado acabou se desentendeu com a esposa, e partiu para a agressão.  

O homem se apresentou na delegacia de Novo Lino nesse domingo (30) e gravou um vídeo, alegando ter reagido em legítima defesa.