Cultura

Autor de 'Os Mutantes' lança desafio para roteiro sobre Dandara, esposa de Zumbi dos Palmares

Gilson Monteiro | 07/07/20 - 15h09 - Atualizado em 07/07/20 - 16h07
Dandara (ilustração Wikimedia Commons)/Tiago Santiago: foto redes sociais

O autor de telenovelas de sucesso da Record TV, Tiago Santiago, lançou um desafio em suas redes sociais para que escritores façam um piloto de um filme inspirado na história de Dandara, a esposa de Zumbi, herói da resistência negra no maior Quilombo das américas, em União dos Palmares, Zona da Mata alagoana. 

Em seu perfil no Instagram, o autor de Os Mutantes, A Escrava Isaura e Prova de Amor, pede para os interessados enviarem a sinopse até o dia 31 de julho.

A ideia surgiu em uma live que o autor fez recentemente com o jornalista palmarino Léo Bastos, onde chegou a sugerir Lázaro Ramos e Taís Araújo para viver o casal de guerreiros que comandou a luta na Serra da Barriga. 

"Resolvi orientar um(a) escritor(a) que esteja disposto(a) a escrever um filme piloto inspirado em um trecho da vida de Dandara! Marque alguém que você acha que tenha o potencial! E se você está disposto(a) a encarar o desafio, escreva numa DM até 31 de julho sinopse com no máximo 300 palavras de um episódio da vida de Dandara de Palmares", diz o autor. 

Confira o post e se gostar de escrever, participe.

Quem foi Dandara?

Zumbi e Dandara: Ilustração site Escola e Educação

Segundo informações da Fundação Palmares, Dandara foi um guerreira do período colonial do Brasil, esposa de Zumbi, líder daquele que foi o maior quilombo das Américas: o Quilombo dos Palmares.

Com ele, Dandara teve três filhos: Motumbo, Harmódio e Aristogíton. Valente, ela foi uma das lideranças femininas negras que lutou contra o sistema escravocrata do século XVII e auxiliou Zumbi quanto às estratégias e planos de ataque e defesa da quilombo.

O Quilombro, que na língua banto significa “povoação”, era o espaço físico de resistência à escravidão. Fugidos dos cafezais e das plantações de cana-de-açúcar, os negros que se recusavam à submissão, à exploração e à violência do sistema colonial escravista aglomeravam-se nas matas e formavam núcleos habitacionais com relativo grau de organização e desenvolvimento social, econômico e político.

Eram agrupamentos criados em locais de difícil acesso, e que dispunham de armas e estratégias de defesa contra a invasão de milícias e tropas governamentais. O Brasil colonial conviveu com centenas de comunidades quilombolas, espalhadas, principalmente, pelos atuais estados da Bahia (BA), Pernambuco (PE), Goiás (GO), Mato Grosso (MT), Minas Gerais (MG) e Alagoas (AL).

PALMARES – No Brasil, a mais famosa comunidade quilombola foi Palmares, fundada no século XVI pela princesa congolesa Aqualtune, mãe do lendário Ganga-Zumba, e instalada na Serra da Barriga, no município de União dos Palmares (AL). Integra, ao lado dos povoados de Ambrósio (MG) e Campo Grande (SP/MG), o grupo dos maiores núcleos de resistência negra do País. (fonte: site http://serradabarriga.palmares.gov.br/)