Maceió

Bienal do Livro de Alagoas terá atividades em praça e em prédios históricos do Jaraguá

Camilla Bibiano* | 17/06/19 - 12h27 - Atualizado em 17/06/19 - 12h27
Wesley Menegari

A nona edição da Bienal do Livro de Alagoas foi lançada, na manhã desta segunda-feira (17), no prédio da Associação Comercial, no bairro do Jaraguá. O evento terá novo formato este ano e vai para as ruas do bairro histórico de Maceió.

A Bienal tradicionalmente era realizada no Centro de Convenções de Maceió e, nesta edição, acontecerá na Rua Sá e Albuquerque com o tema “Livro Aberto, Leitura, Liberdade e Autonomia”.

O evento acontece entre os dias 01 e 10 de novembro, com a cerimônia de abertura na Associação Comercial a partir das 18h. A programação dos dez dias de evento será distribuída entre os prédios históricos e praças do bairro.

A feira literária, base do evento, será realizada no Espaço Armázem, com mais de 300 editoras nacionais e internacionais, e as oficinas, na Praça Dois Leões. Palestras, lançamentos de livros, cursos, exposições e atividades culturais ainda serão alocadas entre os espaços disponíveis. A coordenação da Bienal também estuda a possibilidade de fechar a rua para a realização de toda a programação.

250 mil pessoas são esperadas

A previsão é de que 250 mil pessoas passem todos os dias pela Bienal. O primeiro convidado confirmado para a edição deste ano é o escritor brasileiro Ruy Castro, mas a coordenadora da Bienal 2019, professora Elvira Simões Barreto, destacou que a presença de autores ligados à linguagem juvenil é certa, bem como blogueiros e influenciadores digitais.

Um edital será aberto pela Edufal e Fapeal para receber sugestões para a programação, que ainda não está finalizada, e para publicação de 25 títulos sobre produções de pesquisas científicas e de projetos de extensão.

"Esse tema quer dizer muita coisa. É um intercâmbio entre o conhecimento científico, de experiências de trabalho. É um livro aberto para os diversos tipos de conhecimento, diversas linguagens na forma de expressão, não só literária, mas artística e cultural também”, salientou a coordenadora. 

O prefeito de Maceió, Rui Palmeira, também esteve presente no lançamento do evento e ressaltou o apoio à Bienal com o projeto Vale-Livro, que leva crianças da rede pública municipal para a feira onde ela poderá adquirir livros. “Isso é muito importante porque a gente começa a estimular a leitura o quanto mais cedo”, destacou o prefeito. 

Além disso, ele acentuou que espera que o novo formato adotado pela Bienal atraia mais visitantes à cidade. “Os alagoanos terão uma oportunidade de mostrar o que está sendo feito hoje no estado no que diz respeito a literatura, com a oportunidade dos autores locais trazerem seus livros para o evento”, finalizou. 


*Estagiária sob supervisão da editoria