Saúde

Brasil bate 50% de vacinados com 1ª dose, mas tem 5,5 milhões de atrasados na 2ª

UOL | 07/08/21 - 11h27 - Atualizado em 07/08/21 - 11h30
Agência Brasil

O Brasil alcançou ontem a marca de metade da população vacinada com a primeira dose contra a covid, mas pelo menos 5,5 milhões de brasileiros estão com a segunda dose atrasada, conforme dados mais atuais do Ministério da Saúde.

Segundo o último boletim epidemiológico, até 23 de julho, havia registro de 5.481.373 pessoas que haviam tomado a primeira dose, mas não procuraram o serviço de saúde para receberem a segunda.

Para classificar como atraso no esquema vacinal, foram considerados os registros cujo intervalo de tempo da administração da primeira dose com ausência de registro da segunda foi superior a 84 dias para as vacinas AstraZeneca e Pfizer Comirnaty; e superior a 28 dias para vacina CoronaVac.

O número até 23 de julho é 1,6 milhão maior do que o registrado em junho, quando boletim do ministério revelou que 3,8 milhões de pessoas estavam com as doses em atraso.

Segundo os dados do Ministério, 3,3 milhões dos atrasados tomaram a vacina AstraZeneca; 2,1 milhões teriam de tomar a segunda dose da CoronaVac; e 5.033 estavam em atraso com a Pfizer.

Pessoas com a 2ª dose atrasada por estado:

  • Acre - 17.354
  • Alagoas - 49.711
  • Amapá - 11.199
  • Amazonas - 127.620
  • Bahia - 539.301
  • Ceará - 289.090
  • Distrito Federal - 73.481
  • Espírito Santo - 66.808
  • Goiás - 163.140
  • Maranhão - 159.674
  • Mato Grosso - 59.954
  • Mato Grosso do Sul - 56.165
  • Minas Gerais - 693.474
  • Pará - 182.786
  • Paraíba - 110.183
  • Paraná - 219.386
  • Pernambuco - 235.667
  • Piauí - 51.945
  • Rio de Janeiro - 749.201
  • Rio Grande do Norte - 58.853
  • Rio Grande do Sul - 198.665
  • Rondônia - 37.768
  • Roraima - 12.811
  • Santa Catarina - 164.586
  • São Paulo - 1.043.515
  • Sergipe - 77.732
  • Tocantins - 25.509

A análise foi feita pelo ministério com base nos dados registrados na Rede Nacional de Dados em Saúde entre 17 de janeiro a 23 de julho. As informações são repassadas pelos municípios e pode haver atualização, porque algumas prefeituras atrasam as inclusões no cadastro.

No boletim, o ministério alerta que os dados de coberturas vacinais nos municípios "mostraram-se heterogêneos para todos os grupos e doses do esquema vacinal" e defende que sejam tomadas ações para conseguir atrair as pessoas em atraso.

"[O atrasado acaba] requerendo desencadear ações junto a estados e municípios para identificar problemas relacionados ao atraso nesses registros e/ou estratégias mais efetivas para a busca ativa dos faltosos, se for o caso", avalia.

Para a diretora da Sociedade Brasileira de Imunizações em São Paulo, Melissa Palmieri, é necessário que as autoridades façam realmente um esforço para vacinar completamente as pessoas que não foram tomar a segunda dose.

"Esse número mostra que precisamos acelerar a vacinação para que esse percentual de eficácia desejada seja alcançado o mais rápido possível; especialmente com a chegada da variante delta, que já circula no país", diz.

Estudos preliminares mostraram que apenas a vacinação completa tem eficácia alta contra a variante delta.