Gente Famosa

Carlos Alberto de Nóbrega e intérprete de 'Filomena' trocam farpas na web

Folhapress | 31/07/21 - 15h40 - Atualizado em 31/07/21 - 17h28

Carlos Alberto de Nóbrega, 85, disse que a pior pessoa com quem já trabalhou foi a humorista Gorete Milagres, 57, que atuou no A Praça É Nossa entre 1996 e 1998. "Ela se deslumbrou, porque eu que a trouxe via Arnauld Rodrigues, e aconteceu uma coisa chata", disse ele, referindo-se ao artista que deu vida aos personagens Chitaoró e Povo Brasileiro, morto em 2010, vítima de um acidente de barco no Tocantins.

O apresentador do SBT garantiu que nunca tinha contado a história antes, e passou a narrar detalhes da saída e depois permanência de Milagres na emissora paulista em entrevista ao canal do YouTube Mais que 8 Minutos, de Rafinha Bastos, nesta quarta-feira (28). A atriz ficou conhecida do grande público ao interpretar Filomena, a Filó, que usava com frequência o bordão "Ô Coitado!".

"Ela ia para a Globo, para os Trapalhões. Eu a levei na minha sala, eu era diretor do SBT, mostrei uma carta que o Carlos Manga mandou pra mim dizendo que o Renato [Aragão] estava precisando de texto e pedindo para eu mandar alguns. Eu disse que não, que não fazia isso. Falei para ela: 'você vai fazer os Trapalhões, olha o que vai acontecer, não tem redator, toma cuidado'", relembrou.

Depois da conversa, ele viajou para a Argentina e viu Faustão anunciá-la como nova contratada da Globo. Ao voltar ao Brasil, ficou sabendo que Silvio Santos, 90, havia feito uma proposta milionária para que a artista ficasse no SBT. "Uma cláusula que ela exigiu foi não fazer a Praça, ela se negou. Eu fiquei mil vezes mais chateado com o Silvio do que com ela, porque se ela não tem a responsabilidade, a humildade, o Silvio tem. Então o Silvio deixar foi muito pior do que ela pedir", avaliou Nóbrega.

O apresentador disse ainda que Milagres tomou um programa de Moacyr Franco, 84. "Meu filho disse que ela pediu desculpas, disse que não é nada disso. Eu falei: 'filho, depois que eu morrer, se você quiser você põe, mas comigo vivo nunca mais ela senta naquele banco'. Não é que eu tenha raiva dela, eu não quero trabalhar com ela. Quero que ela seja feliz, quem não erra na vida? Mas não vou errar a segunda, senão eu sou burro", concluiu.

Por meio de suas redes sociais, Milagres fez um longo desabafo no qual deu a versão dela dos fatos e afirmou não entender a raiva que Nóbrega sente por ela. A atriz prometeu ainda que publicaria um vídeo neste sábado (31) para de se defender das acusações.

"Nunca briguei com este senhor e não sei de onde ele tira tanta raiva. Eu nunca coloquei em contrato que não queria voltar pra Praça e isto eu posso provar. Das duas vezes que ia pra Globo, voltei pra Praça e fui muito bem recebida por ele", disse ela, no começo da mensagem.

Milagres salientou que sempre manteve uma relação cordial com Nóbrega, mesmo depois que ele a demitiu e frisou que, inclusive, dedicou um prêmio a ele, como forma de gratidão, mesmo com o apresentador, nas palavras dela, "falando mal de mim [Gorete Milagres] nos programas sensacionalistas".

A humorista negou também que seria inimiga de Franco. "Em 2016 eu e Moacyr gravamos um piloto no SBT, este senhor a quem eu tenho gratidão e respeito ficou bravo, tive que gravar com seguranças. O piloto não foi aprovado, na sequência ele foi demitido da Praça", pontuou a artista, referindo-se a Nóbrega.

"Recentemente o Marcelo de Nóbrega me chamou pra Praça e eu perguntei se o pai dele concordava pois a cada seis meses ele fala mal de mim. Eu disse que voltaria se o pai dele concordasse e fiz isto numa tentativa de fazer este homem parar de me odiar simplesmente porque o Silvio foi na minha casa, porque o Silvio me valorizou e também por eu ter sido uma mulher campeã de audiência", disse, finalizando o texto com um lamento, seguido por uma mensagem pacificadora.

"Sofri muitos abusos dentro da TV .Meu Deus cura este coração raivoso. Por este homem eu só tenho gratidão. Que o coração dele possa ser curado", encerrou Milagres.