Polícia

Caso Raíssa: menina de 11 anos foi morta pelo cunhado, diz polícia 

Eberth Lins e João Victor Souza | 13/07/21 - 12h13 - Atualizado em 13/07/21 - 12h34
Foto: Reprodução / Rede Social

Um menor de 17 anos foi apreendido como sendo responsável pelo assassinato da menina Ingrid Raíssa, de 11 anos, no ultimo mês, em Rio Largo. O adolescente, segundo a polícia, era cunhado da criança. A irmã de Raíssa, que tem 14 anos, está grávida do rapaz.

De acordo com o delegado Ronilson Medeiros, o adolescente confessou ter matado a menina, mas afirmou, em depoimento, ter sido de forma acidental. "Ele disse que numa ânsia de fúria pegou a criança pelo pescoço e a empurrou, de modo que a menina caiu e bateu a cabeça na pedra", contou o delegado.

Segundo Ronilson Medeiros, o menor relatou também que a menina teria proposto ter relação sexual com ele. "Ele disse que a criança queria manter relações, o que foi negado por ele. Contou que ficou com medo da menina falar para as pessoas que foi vítima de violência sexual e a agrediu".

"Ele informou que naquela tarde a criança havia pedido a ele para comprar alimentos para uma arara que ela criava. Ele disse que não encontrou o alimento e foram ao canavial para coletar o broto da cana para servir de alimento. No trajeto, ele disse que a criança sugeriu a ele para ter relação sexual, e ele negou", acrescentou Medeiros. 

O delegado destacou que a mãe de Ingrid Raíssa percebeu a ausência do jovem no dia em que a menina desapareceu. "A genitora da vítima relatou que achou estranho que no dia do desaparecimento ele não estava no local. Ele chegou no fim da tarde com uma camisa que não era dele e com os pés sujos de lama. Ontem fui bem claro para ele, é questão de tempo, o material genético foi coletado e em alguns dias vamos saber o resultado. Ele abaixou a cabeça, na presença do tio, ao lado, e confessou ter matado ela".

Apesar de ele ter negado o estupro, o delegado afirmou que o laudo pericial deve comprovar o crime. "Hoje mantive contato com o médico legista e o mesmo disse que o laudo não está pronto, mas já confirmou que houve o abuso sexual [...] Provavelmente ele abusou da menina e com medo de ser descoberto, matou a mesma", concluiu.

O adolescente foi encaminhado para Unidade Internação Masculina (UIM), que recebe meninos e adolescentes infratores, nessa segunda-feira (12), após ter confessado o crime à polícia durante depoimento.

O caso

O corpo de Ingrid Raissa foi encontrado no dia 22 de junho em um local de difícil acesso na zona rural de Rio Largo.  A garota estava desaparecida havia dois dias, desde que tinha saído de casa, no Sítio Canoas, por volta das 15 horas. 

No início das investigações, a Polícia Civil investigou três suspeitos de participação no assassinato da menina. Foram colhidos materiais genéticos de três indivíduos, um deles menor de idade, para que fosse comparado com o material encontrado no corpo da garota.

"Nos levantamentos do local de crime, se desenhou três linhas de investigação. Uma seria o ex-cunhado, o outro seria o vizinho, e a terceira seria o atual cunhado. No dia 12 de julho, ouvi os três suspeitos, os dois maiores de idade disseram que estavam no trabalho, fato que foi confirmado, então eles não estavam na cena do crime. Então restou o terceiro suspeito, o atual cunhado de 17 anos", disse o delegado Ronilson Medeiros..