Concursos

Cebraspe diz que concurso da Polícia Civil de Alagoas está mantido

Bruno Soriano | 30/08/21 - 16h03 - Atualizado em 30/08/21 - 19h15
Cinco pessoas foram presas, em AL e PE, tentando fraudar concurso nesse domingo | Ascom PC-AL

O Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) enviou nota à redação do TNH1, na tarde desta segunda-feira (30), sobre a tentativa de fraude ao concurso público da Polícia Civil de Alagoas, cujas provas foram aplicadas nesse domingo (29). Segundo o comunicado, não houve “nenhum impacto para a lisura ou continuidade do certame, tampouco vazamento de qualquer dado”, razão pela qual o concurso está mantido.

Ainda segundo a banca examinadora do concurso que tem 43.073 inscritos disputando 500 vagas (sendo 132 para o cargo de escrivão e 368 para o de agente de polícia), as investigações da Polícia Civil que resultaram na prisão de cinco pessoas contaram com o apoio da área de inteligência do Cebraspe.

“Ressalta-se que o trabalho de segurança do Centro é realizado em todos os eventos sob responsabilidade da instituição, bem como o monitoramento de pessoas suspeitas”, reforçou o Cebraspe, que, recentemente, também aplicou as provas para a Polícia Militar e Corpo de Bombeiros de Alagoas.

“A ação realizada [pela polícia] apenas reforça que há um trabalho sério e contínuo que ocorre antes, durante e após a aplicação das provas e envolve equipes especializadas do Centro e dos órgãos policiais”, emendou a banca.

Segundo o coordenador da Divisão Especial de Investigações e Capturas (Deic) da Polícia Civil de Alagoas, delegado Gustavo Xavier, responsável pelas investigações, a aprovação no concurso custaria R$ 60 mil a apenas um dos candidatos presos nesse domingo.

Confira, abaixo, a íntegra da nota:

O Cebraspe informa que, durante a aplicação das provas para os cargos de Agente e Escrivão da Polícia Civil do Estado de Alagoas (PC/AL), foi realizada ação da Polícia Civil, com o apoio da área de inteligência do Centro, que resultou na prisão de criminosos que tentaram fraudar o concurso público utilizando ponto eletrônico.
 
Ressalta-se que o trabalho de segurança do Centro é realizado em todos os eventos sob responsabilidade da instituição, bem como o monitoramento de pessoas suspeitas.
 
As prisões não têm nenhum impacto para a lisura ou continuidade do certame, tampouco houve vazamento de qualquer dado. A ação realizada apenas reforça que há um trabalho sério e contínuo que ocorre antes, durante e após a aplicação das provas e envolve equipes especializadas do Centro e dos órgãos policiais.  

Atenciosamente,

Assessoria de Comunicação e Imprensa
www.cebraspe.org.br
Cebraspe

Seplag

Também por meio de nota, a Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag) informou que as prisões ocorridas não têm nenhum impacto para a lisura ou continuidade do concurso. Leia a nota na íntegra:

A Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag) informa que as prisões ocorridas durante o certame da Polícia Civil de Alagoas não têm nenhum impacto para a lisura ou continuidade do concurso, tampouco houve vazamento de qualquer dado. A ação, realizada por meio da PC-AL, em parceria com a área de inteligência do Cebraspe, banca organizadora do certame, apenas reforça que há um trabalho sério e contínuo que ocorre antes, durante e após a aplicação das provas e envolve equipes especializadas do Centro e dos órgãos policiais.