Saúde

Conheça a síndrome que afeta 30% dos trabalhadores brasileiros e saiba como evitar

Assessoria | 02/06/21 - 09h21 - Atualizado em 02/06/21 - 09h27
Foto: Freepik

A pandemia da Covid-19 gerou incertezas na vida de milhares de pessoas e, além de ter impactado a saúde do brasileiro, também provocou mudanças na economia. A cobrança por produtividade e, sobretudo, o aumento do desemprego, aceleraram queixas de esgotamento profissional em consultórios de psicologia.

Cansaço físico e mental, insônia, estresse e afastamento da vida social são alguns dos sintomas da Síndrome de Burnout, distúrbio psíquico caracterizado por um estado de exaustão extremo relacionado ao trabalho. Uma pesquisa realizada pela International Stress Management Association (Isma) estima que cerca de 30% dos trabalhadores brasileiros podem sofrer com o problema.

“A pandemia afetou a economia e muitas pessoas perderam o emprego. Já os profissionais que permaneceram empregados passaram a se sentir mais inseguros e essa tensão acaba afetando a vida do indivíduo em vários aspectos”, é o que explica a psicóloga do Sistema Hapvida Maceió, Paula de Melo.

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

De acordo com ela, a Síndrome de Burnout pode afetar pessoas de qualquer profissão, mas se manifesta especialmente em profissionais cujas atividades exigem envolvimento interpessoal direto e intenso. A terapeuta explica que o diagnóstico deve ser realizado por um profissional da área de psicologia ou psiquiatria.

“Analisamos as queixas e o contexto em que vive o paciente, e também como sua vida está sendo afetada pelos sintomas. Depois avaliamos quais os tratamentos mais adequados, lembrando que não existe um tratamento padrão. Pode variar de pessoa para pessoa”, esclarece.

Em alguns casos e, conforme a gravidade, também pode ser necessária terapia medicamentosa.

DEPRESSÃO E SÍNDROME DE BURNOUT: ENTENDA AS DIFERENÇAS

Segundo a psicóloga é importante saber diferenciar depressão e síndrome de Burnout.

“A depressão é um transtorno mental caracterizado por tristeza persistente e perda de interesse em atividades que normalmente são prazerosas. Já a burnout é uma síndrome de estresse crônica que gera negativismo e sensação de esgotamento relacionado ao trabalho”, afirma.

Paula de Melo dá dicas para prevenir e evitar a estafa profissional. “Preste atenção aos sinais da mente e do corpo, principalmente quando o cansaço e o estresse pioram no ambiente de trabalho. Além disso, pratique atividades físicas e de lazer, e esteja com as pessoas que ama. É fundamental manter o equilíbrio entre vida pessoal e profissional”, finaliza a especialista.