Maceió

Contra a demolição de barracos, moradores da Sururu de Capote bloqueiam Avenida Senador Rui Palmeira

Eberth Lins | 11/08/21 - 11h41 - Atualizado em 11/08/21 - 12h25
Os moradores questionam o plano de realocação executado pela Prefeitura, que está transferindo famílias da região para residenciais no Benedito Bentes | Foto: Cortesia ao TNH1

Famílias da comunidade Sururu de Capote, localizada na orla lagunar, voltaram a protestar contra a demolição de barracos e bloquearam a Avenida Senador Rui Palmeira, principal via do Disque Estrada, nesta quarta-feira (11).

Os moradores questionam o plano de realocação executado pela Prefeitura de Maceió, que está transferindo famílias da região para residenciais no Benedito Bentes, na parte alta da cidade. Outro ponto levantado pelas famílias é o valor do aluguel social, benefício destinado pela Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas) para as pessoas que deixaram os barracos e não têm para onde ir.

Veja vídeo:

No final do mês passado, moradores da Sururu de Capote também realizaram um protesto, que acabou após o gestor da Semas, Carlos Jorge, agendar uma reunião entre as famílias da comunidade e a Prefeitura. A Prefeitura havia informado que "as demolições de barracos desocupados na orla lagunar acontecem após cadastramento e conscientização dos moradores para dar continuidade às obras do Residencial Parque da Lagoa, que vai beneficiar mais de 7 mil pessoas da orla lagunar". 

O TNH1 entrou em contato com a Prefeitura de Maceió nesta quarta-feira (11). Veja nota na íntegra:

A Secretaria Adjunta de Habitação mantém há seis meses um trabalho permanente de cadastramento de moradores, conscientização e retirada de barracos desocupados para dar continuidade às obras do Residencial Parque da Lagoa, que vai beneficiar mais de 7 mil pessoas da orla lagunar. A previsão é que até o fim deste ano 50% do residencial Parque da Lagoa seja entregue, atendendo a demanda de parte da população da localidade. 

A Prefeitura reforça que as demandas continuam sendo ouvidas e discutidas em reuniões que vêm acontecendo com representantes dos moradores e das Secretarias de Habitação e Assistência Social. Na última quarta-feira (4), houve uma reunião no Ministério Público de Alagoas com moradores e lideranças da região para tratar do tema.

Desde o início do ano, aproximadamente 500 famílias que não vivem da lagoa optaram por serem beneficiadas com uma unidade nos residenciais Oiticica 1 e Oiticica 2, no Benedito Bentes, desocupando as moradias precárias que vêm sendo demolidas em ações pontuais. As demais estão sendo atendidas pela Assistência Social, com inclusão em programas socioassistenciais até que sejam beneficiadas com uma unidade habitacional.