Maceió

Corpo de Bombeiros: situação atual do Centro prejudica combate a incêndio

17/11/15 - 12h24

Bombeiros apresentaram dificuldades em reunião (Crédito: Erik Maia)

Bombeiros apresentaram dificuldades em reunião (Crédito: Erik Maia)

Em uma reunião na manhã desta terça-feira (17) na prefeitura de Maceió, representantes da Aliança Comercial, Corpo de Bombeiros e órgãos ligados à gestão municipal discutiram os trabalhos de combate ao incêndio que atingiu cinco prédios e danificou outros três no Centro de Maceió, na semana passada. Para o Corpo de Bombeiros, há dificuldades na região para combater incêndios. 

O comandante da corporação, Adriano Amaral, listou as dificuldades e ressaltou que elas são antigas. “A escada magirus foi utilizada, mas com risco muito grande, mas precisava ser utilizada. Existe a dificuldade, é grande, é forte no Centro da cidade, como por exemplo o tráfego na região que é prejudicado por bancas de revista e bancos usados descanso. O calçadão não suporta o peso das viaturas, e há ainda os pilotis (piquetes de ferro colocados em calçadas como proteção). Estive lá no domingo e realmente é muito difícil combater um incêndio nas condições atuais”, disse o comandante.

Ele também falou sobre o impasse com relação aos hidrantes instalados, ou não, na região. Para o militar, a responsabilidade pelo equipamento é da concessionária de abastecimento de água, a Casal. “Para o Corpo de Bombeiros a responsabilidade [pelos hidrantes] é da Casal, mas a Casal tem dúvidas quanto a isso, então vamos sentar para definir isso. Os bombeiros chegam ao evento e querem encontrar todas as condições concernentes a isso”, pontuou.

Leia Mais:

Incêndio de grande proporção atinge lojas no Centro de Maceió; veja vídeos

Drone mostra imagens aéreas do incêndio que atinge lojas no Centro de Maceió

Recorrência de incêndios no Centro de Maceió acende alerta para prevenção

Chamas intensas atingem lojas vizinhas e preocupam os bombeiros

VICE-PREFEITO 

O prefeito em exercício, Marcelo Palmeira (PP),disse que o encontro servirá para sanar os problemas apontados pela corporação para tonar mais ágil o atendimento no caso de futuros sinistros na região. Além disso, ele informou que o encontro apontará a responsabilidade pela manutenção dos hidrantes na cidade.

“Vamos conversar aqui depois dessa conversa montar um plano de trabalho para que nós possamos responsabilizar, se houver as pessoas que contribuíram para que isso tivesse acontecido, e chegar aqui a um denominador comum”, concluiu.

Marcelo Palmeira disse ainda que as equipes da SMCCU estão disponíveis para que, caso o entendimento da corporação seja pelo fechamento de estabelecimentos até que a questão de prevenção e combate a incêndios seja realizada. “Os bombeiros fazem um trabalho rotineiro onde notificam os empresários, a prazos para serem cumpridos, mas caso os militares queiram laçar algum desses estabelecimentos as equipes da SMCCU estão prontas para esse tipo de serviço”, apontou.

ALIANÇA PROPÔE REESTRUTURAÇÃO

Para o representante da Aliança Comercial, Olinto Ozório, os recentes incêndios provam que chegou a hora de reestruturar o Centro de Maceió. “Pelo que a gente viu naquele dia a coisa não funcionou tão bem. O caminhão magirus teve dificuldade de passar e outras coisas. O projeto que foi feito naquela época podia até atender, mas hoje não atende mais”, avalia.

Na reunião, o tenente coronel Buriti falou sobre as dificuldades no combate ás chamas. Ele apresentou o decreto 26.414, que em seus artigos 13º e 14º, versam sobre a responsabilidade de manutenção de projetos de incêndios em prédios particulares. Confira o vídeo exclusivo: